Poder ou assimetria na relação médico-paciente? - Costurando o tema a partir de flutuações teóricas e aplicadas dentro dos estudos da comunicação e da linguagem

  • Francisco Renato Lima Universidade Federal do Piauí - UFPI
Palavras-chave: Relação comunicativa, Médico & Paciente, Poder, Assimetria

Resumo

Neste estudo, aborda-se a questão da comunicação em contextos médicos, com a finalidade de situar, como o tema ‘poder ou assimetria na relação médico-pacientes’, vem sendo tratado na literatura, com base em algumas pesquisas no campo teórico e aplicado, como por exemplo, as realizadas por Martine (1989), Magalhães (2000), Albuquerque (2002), Zacariotti (2003), e van Dijk (2010). Consoante aos resultados das pesquisas desses autores, apresenta-se o posicionamento assumido por Lima (2016), no tratamento do tema ao discutir, em seu trabalho, como se dá a compreensão na comunicação entre médicos e pacientes. O autor, na breve exploração que faz desse aspecto dentro da discussão do tema, concorda com os demais autores, corroborando com a ideia de que essa relação não é apenas assimétrica,
como pretende Caprara; Rodrigues (2004), mas há, bem marcada, a presença do uso do poder na linguagem durante a comunicação entre médicos e pacientes.

Biografia do Autor

Francisco Renato Lima, Universidade Federal do Piauí - UFPI

Graduado em Pedagogia (UNIFSA) e Letras – Português/Inglês (IESM). Mestre em Letras – Estudos da Linguagem
(UFPI). Professor Substituto (Auxiliar Nível – I) da Universidade Federal do Piauí, lotado no Departamento de
Métodos e Técnicas de Ensino (DMTE). Coordenador de disciplinas do Centro de Educação Aberta e a Distância
(CEAD/UFPI)

Referências

ALBUQUERQUE, Maria Clara. Enfoque bioético da comunicação na relação médico-paciente nas unidades de terapia intensiva pediátrica. 2002. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) – Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

AMORIM, Marília. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa, 2004.

ASHER, Richard. Munchausen’s syndrome. The Lancet. 1951 feb: 339-341.

BAKHTIN, Mikhail. O freudismo: um esboço crítico. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Perspectiva, 2014a. [1927]. p. XI-XIX.

______. O discurso no romance. In: ______. Questões de estética e de literatura: a teoria do romance. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2014b. [1975]. p. 71-210.

______. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013. [1929].

______. Apontamentos de 1970-1971. IN: ______. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011. [1979]. p. 367-392.

BEZERRA, Paulo. Freud à Luz de uma Filosofia da Linguagem. In: BAKHTIN, M. O freudismo: um esboço crítico. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Perspectiva, 2014a. [1927]. p. XI-XIX.

CAPRARA Andrea; RODRIGUES Josiane. A relação assimétrica médico-paciente: repensando o vínculo terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, 9 (1):139-146, 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2015.

DESCARTES, R. Discours de la Méthode et Essais. Oeuvres Publiées par Charles ADAM & Paul TANNERY. Paris: Vrin, 1996. v. VI.

FIEHLER, Reinhard. Verständigungsprobleme und gestörte Kommunikation: Einführung in die Thematik. In: FIEHLER, Reinhard. Verständigungsprobleme und gestörte Kommunikation. Radolfzell: Verlag für Gesprächsforschung, 2002, p. 715.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução Roberto Machado. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal Ltda, 1998. [1979].

GOLDIM, José Roberto; FRANCISCONI, Carlos Fernando. Modelos de relação médico-paciente. 2000. [on line] Disponível em: < www.ufrgs.br/bioetica/modelos/htm >. Acesso em: 20 dez. 2015.

GNERRE, Maurizzio. Linguagem, escrita e poder. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

HILGERT, José Gaston. Os problemas de compreensão na fala na perspectiva da construção interativa da compreensão. In: FANTI, Maria da Glória di; BARBISAN, Leci Borges. Enunciação e discurso: tramas de sentidos. São Paulo: Contexto, 2012. p. 77-94.

LAMPOGLIA, Francis; MIOTELLO, Valdemir. O silêncio e o calar sobre a ditadura militar pelo olhar de Bakhtin: a diferença entre o ouvir e o escutar. Palimpsesto, nº 14, Ano 11, 2012, Dossiê (1). p. 1-14. Disponível em: .
Acesso em: 15 jun. 2015.

LIMA, Francisco Renato. Letramentos em contextos de consulta médica: um estudo sobre a compreensão na relação médico-paciente. 2016. 254 f. Dissertação (Mestrado em Letras – Estudos da Linguagem) – Centro de Ciências Humanas e Letras. Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2016.

LIMA, Silvana Maria Calixto de. Entre os domínios da metáfora e metonímia: um estudo de processos de recategorização. 2009. 204 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

LEDUR, Paulo Flávio; LUCCHESE, Fernando. Comunicação médico-paciente: um acordo de cooperação. Porto Alegre: AGE, 2008.

MAGALHÃES, Izabel. Eu e tu: a constituição do sujeito no discurso médico. Brasília: Thesaurus, 2000.

MARTINE, Luiza Corrêa e Castro. Análise da constituição e reprodução no discurso médico-paciente: uma abordagem sociolinguística interacional. In: TARALLO, Fernando (Org.). Fotografias sociolinguísticas. Campinas: Pontes, 1989. p. 239-268.

PONZIO, Augusto. Ecritura de la novella y del cinema como crítica de La comunicación global. UNED. Revista Signa, nº 15 (2006), págs. 469-492. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2015.

______. As orientações linguisticas hoje e a escuta como arte da palavra. Texto publicado em 31 de outubro de 2010, na página do GEGe - Grupo de Estudos de Gêneros do Discurso, São Carlos, São Paulo, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2015.
Publicado
2019-09-07
Como Citar
FRANCISCO RENATO LIMA. Poder ou assimetria na relação médico-paciente? - Costurando o tema a partir de flutuações teóricas e aplicadas dentro dos estudos da comunicação e da linguagem. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, v. 6, n. 2, p. 18 - 37, 7 set. 2019.