TÍPICO versus ATÍPICO NO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA: UMA VISÃO DA COMPLEXIDADE

  • Laís Rodrigues Silva Bockorni
  • Nirvana Ferraz Santos Sampaio UESB
  • Maria de Fátima Baia UESB
Palavras-chave: Desenvolvimento de escrita, Sistemas Adaptativos Complexos, Dislexia.

Resumo

O presente artigo visa discutir a relação entre o típico e atípico no desenvolvimento da escrita. Nosso embasamento teórico é um diálogo entre o paradigma dos Sistemas Adaptativos Complexos (LARSEN-FREEMAN, 1997; BAIA, 2013; STIRLING, 2014; SOARES, 2016) e a Neurolinguística Discursiva (COUDRY, 2002; COUDRY, BORDIN, 2019), visto que cremos que essa abordagem pode acrescentar uma nova perspectiva aos estudos de desenvolvimento da escrita. Analisamos dados de dois sujeitos, ML (ABAURRE, FIAD, MAYRINK-SABINSON, 1997), com desenvolvimento típico, e AC (PEROTTINO et al, 2019), com desenvolvimento atípico - diagnóstico de dislexia, a fim de discutir o desenvolvimento da escrita como um sistema complexo.

Biografia do Autor

Nirvana Ferraz Santos Sampaio, UESB

Professora do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UESB.

Maria de Fátima Baia , UESB

Professora do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UESB.

Referências

ABAURRE, M. B. M. Uma História Individual. In: ABAURRE, M. B. M.; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. Cenas de aquisição da escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. – Campinas, SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil – ALB, 1997.
BAIA, M.F.A. Os templates no desenvolvimento fonológico: o caso do português brasileiro. Tese (Doutorado) -, USP. São Paulo (SP), 2013.
COUDRY, M. I. H. Linguagem e afasia: uma abordagem discursiva da Neurolinguística. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 42, p. 99-129, 2002.
COUDRY, M. I. H.; BORDIN, S. S.. Ambientes discursivos na afasia e na infância (Discursive environments in aphasia and childhood). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 17, n. 1, p. 9-22, mar. 2019. ISSN 1982-0534. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v17i1.5295.
DEHAENE S. O Cérebro Dislexico. In: DEHANE, S. Os neurônios da leitura: como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Porto Alegre: Penso; 2012.
FREIRE, F. M. P.. Um convite à escrita: a história de um (não) disléxico. Estudos da Língua(gem), v. 6, p. 193-227, 2008.
FREIRE, F. M. P., COUDRY, M. I. H. Banco de Dados de Neurolinguística: ver, analisar, intervir, teorizar. Atas do 5º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa (CIAIQ), Porto. v. 3. p. 367-376, 2016.
LAIDLAW, L. Reinventing curriculum: a complex perspective on literacy and writing. Nova Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2005.
LARSEN-FREEMAN, D. Chaos/complexity science and second language acquisition. Applied Linguistics, v. 18, n. 2, p. 141-165, 1997.
LARSEN-FREEMAN, D.; CAMERON; L. Complex systems and applied linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2012.
MASSI, G.; SANTANA, A. P. O. A desconstrução do conceito de dislexia: conflito entre verdades. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 21, n 50, p. 403-411, set./dez. 2011.
MARSON, Francine. Neurolinguistica discursiva: analise de praticas clinicas e escolares com a linguagem. 2009. 72 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2018.
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, Cortez, 2011.
STIRLING, D. Learning and Complex Adaptive Systems. Learning Development Institute. 31 May 2014.
PEROTTINO, S. et al. “Não consigo porque tenho um problema”: dislexia e efeito da linguagem do outro ("I cannot do this because i have a problem": dyslexia and the language effect of the other). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 17, n. 1, p. 67-91, mar. 2019. ISSN 1982-0534. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v17i1.5314.
PEROTTINO, S.. Implicações da abordagem discursivamente orientada em Neurolinguística para a avaliação linguístico-cognitiva de crianças com atraso de linguagem. Estudos Lingüísticos (São Paulo) , v. XXX, p. ART145, 2001.
SOARES, L.A.A.. Escrita como prática social: a tarefa como um atrator. Linguagem & Ensino, Pelotas, v.19, n.1, p. 81-97, jan./jun. 2016
Publicado
2019-12-17
Como Citar
RODRIGUES SILVA BOCKORNI, L.; FERRAZ SANTOS SAMPAIO, N.; BAIA , M. DE F. TÍPICO versus ATÍPICO NO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA: UMA VISÃO DA COMPLEXIDADE. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, v. 6, n. 1, p. 50 - 67, 17 dez. 2019.