DESAFIOS ATUAIS PARA O ENSINO DE GRAMÁTICA - REFLEXÕES SOBRE AS HABILIDADES DE ANÁLISE LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

  • Francisco Rafael Mota de Sousa Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Ensino de Gramática, Análise Linguística, Base Nacional Comum Curricular, Ensino de Língua Materna

Resumo

Nos últimos cinquenta anos, o avanço das pesquisas relacionadas ao modo como se realiza a aula de português no Brasil fez o ensino de gramática, tal como vem sendo conduzido pela escola, sofrer severas críticas. Tais reprovações, recentemente, foram outra vez legitimadas com a homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que, ao mesmo tempo em que propõe um conjunto de habilidades a serem ensinadas aos alunos, impõe consideráveis desafios para um ensino de língua materna mais comprometido com o desenvolvimento de competências. Nesse sentido, este texto discute os desafios impostos pelo referencial curricular direcionados, em especial, ao ensino dos conhecimentos gramaticais. Diante do processo de implementação didático-pedagógica do documento nas escolas brasileiras, acredita-se que ao se refletir sobre os fundamentos teóricos e os saberes a serem desenvolvidos na prática escolar estabelecidos pelas orientações curriculares, tem-se a possibilidade da criação de estratégias práticas de inseri-los e desenvolvê-los de forma eficaz no cotidiano da aula de português. Para isso, baseados nos principais debates sobre o ensino de gramática vistas em Mendonça (2006), Neves (2008) e Geraldi (2011), um estudo exploratório de caráter documental foi realizado no qual se analisou as habilidades referentes ao eixo de análise linguística presentes na BNCC, buscando discutir que conteúdos são atualmente desafiadores para o ensino e quais impactos eles trazem à construção de sujeitos críticos no uso da linguagem. Os resultados demonstram que a BNCC, ao trazer o maior número de habilidades no eixo de análise linguística, reúne não só conteúdos considerados tradicionais, como prescreve conteúdos que buscam desenvolver letramentos diversos a partir da análise e reflexão de seus elementos linguísticos. Tal fato faz concluir que ao enfocar nas experiências de uso-reflexão, o documento busca promover um ensino mais produtivo sobre a língua, auxiliando os sujeitos a construírem experiências de linguagem mais criativas, libertadoras e cidadãs.

Referências

BAGNO, M. Dramática da língua portuguesa: tradição gramatical, mídia & exclusão social. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2008.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2016.

BRASIL. Base nacional comum curricular. Versão final homologada. Brasília: MEC, 2018.

CARDOSO, C. R.; COBUCCI, P. Concordância de número no português brasileiro. In: BORTONI-RICARDO, S. M. et al. (Orgs.). Por que a escola não ensina gramática assim? 1. ed. São Paulo: Parábola, 2014.

COUTINHO, M. L. Psicogênese da língua escrita: Como intervir em cada uma das hipóteses? Uma conversa entre professores. In: MORAIS, A.; ALBUQUERQUE, E. Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

DORETTO, S. O ensino de análise linguística e os professores em formação inicial: a relação teoria-prática. 2014. 143 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

FRANCHI, C. Linguagem: atividade constitutiva. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2011.

__________. Mas o que é mesmo “gramática”? 1. ed. São Paulo: Parábola, 2006.

GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. 5. ed. São Paulo: Ática, 2011.

HALLIDAY, M.; HASAN, H. Language, context and text: aspects of language in a social-semiotic perspective. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 1989.

MENDONÇA, M. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. Português no ensino médio e formação do professor. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2006.

NEVES, M. Que gramática estudar na escola?: norma e uso na língua portuguesa. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. 1. ed. São Paulo: Mercado das Letras, 1996.

SILVA, N. Ensino tradicional de gramática e prática de análise linguística na aula de português. 2009. 162 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, 2009.

SOARES, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 18. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

SOUSA, F. R. M. Ensino de língua materna na BNCC: reflexões sobre o eixo de análise linguística. Comunicação apresentada no VI Congresso Nacional de Educação. Maceió: Realize Eventos, 2019.
Publicado
2020-02-28
Como Citar
MOTA DE SOUSA, F. R. DESAFIOS ATUAIS PARA O ENSINO DE GRAMÁTICA - REFLEXÕES SOBRE AS HABILIDADES DE ANÁLISE LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, v. 6, n. 2, p. 35 - 57, 28 fev. 2020.