PORTUGUÊS/LINGUAGEM: CONCEPÇÃO DE VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS EM LIVROS DIDÁTICOS PARA OS ANOS FINAIS DO FUNDAMENTAL

  • Elionai Mendes da Silva Universidade Estadual de Santa Cruz
Palavras-chave: Linguagem; Interação; Ensino de português; Livro didático; Variações linguísticas.

Resumo

Diante da variedade linguística brasileira fruto da heterogeneidade cultural, geográfica, histórica e social de nosso país, este trabalho busca investigar a concepção de variação linguística representada na coleção de livros didáticos Português/Linguagem dos autores William Cereja e Thereza Cochar (2017), destinada aos anos finais do fundamental.  Filiado à concepção interacionista da linguagem (BAKHTIN, 2003; 2009), o mesmo adota pressupostos teóricos que tratam de questões relacionadas ao livro didático como um discurso de poder (CORACINI, 2011) que dita o que deve ou não ser ensinado no interior da escola, além do papel que o mesmo desempenha na relação pedagógica que envolve estudantes e professores (PIRIS; AZEVEDO; 2018) no ensino de português como língua materna, e ainda, de trabalhos realizados no âmbito da Sociolinguística como os de Tarallo (2007), Marcuschi (2000), Bagno (2013). Para tanto, adotou-se como procedimentos metodológicos a pesquisa documental e abordagem qualitativa de cunho analítico, a partir da análise de atividades que contemplam a temática. Assim sendo, o corpus constitui-se de recortes das propostas didáticas identificadas nas sessões dos livros didáticos, voltadas para as abordagens das variações linguísticas ensejadas na coleção didática em apreciação. Esta pesquisa se justifica pela escassez de propostas didáticas trazendo as variações linguísticas de maneira que oportunize os aprendizes a se reconhecerem no discurso produzido pelos livros didáticos em questão, em especial, os da região Nordeste do país, bem como, a evidenciarem outros falares que não o próprio de uma região, comunidade ou grupo social. Dessa maneira, os resultados apontam para a necessidade de refletir sobre a abordagem das variações linguísticas preconizadas nos livros didáticos. Desta forma, colaborando com os docentes tanto na escolha do livro didático de português como língua materna quanto em sua representatividade enquanto recurso didático em sala de aula.

Referências

ALCÂNTARA, A. M; VESCE, G. E. P. As representações sociais no discurso do sujeito coletivo no âmbito da pesquisa qualitativa. In: VIII Congresso Nacional de Educação da PUC/PR, 2008. Anais [...]. Curitiba: 2008. p. 2208-2220. Disponível em Acesso em: 10 de mai. de 2019.
ALMEIDA, N. S. Ensinar português? In: GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. 4ª. ed. São Paulo: Ática, 2006.

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. 1ª ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 1ª. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

______. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. 3ª. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

______. Sete erros aos quatro ventos: a variação linguística no ensino de português. 4ª. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

______. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 13ª ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 38ª ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2001 [São Paulo: Nacional, 1961].

BITTENCOURT, C. Livro didático e saber escolar (1810 - 1910). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

BORGES. F. V. Comunicativo e comunicacional no ensino de línguas. Linguagens e Diálogos, vol. 03, n. 1, p. 29-42, 2012. Disponível em: Acesso em: 28 de dez. 2019.
BRANDÃO, H. N. Da língua ao discurso, do homogêneo ao heterogêneo. In: BRAIT, B. (Org.). Estudos iniciativos no Brasil: histórias e perspectivas. Campinas: Editora da UNICAMP, 2011. p. 59-69.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

CALVET, L-J. Sociolinguística: uma introdução crítica. 2ª ed. São Paulo: Parábola, 2002.

CEREJA, W; MAGALHÃES. T. C. Português/Linguagens. 6ª ed. reformulada. São Paulo: Atual, 2017.

CORACINI, M. J. R. F. O livro didático nos discursos da Linguística Aplicada e da sala de aula. In: CORACINI, M. J. (Org.). Interpretação, Autoria e Legitimação do Livro Didático. Campinas: Pontes, 2011. p. 17-31.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

FOGEL, G. A linguagem fala? In:______. O desaprendizado do símbolo: ou da experiência da linguagem. 1. ed. Rio de Janeiro: Mauad X, 2017 p. 29-46.

FONSECA, J. J. S. da. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE, 2002.

GERALDI, J.W. Portos de passagem. 4ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

______. O texto na sala de aula. 4ª. ed. São Paulo: Ática, 2006.

LAVILLE, C; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

MARCUSCHI, L. A. O papel do linguista no ensino de língua. Conferência pronunciada no 1º Encontro de Estudos Linguísticos-Culturais da UFPE, Recife, 12 de dezembro de 2000, mimeo. Disponível em: . Acesso em: 31 de mai. de 2019.

MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. Introdução à Sociolinguística. O tratamento da variação. São Paulo. Contexto, 2003.

PIRIS, E. L; AZEVEDO, I. C. M. de. Subjetivação, saberes e poderes: o autor do livro didático como um interveniente na relação pedagógica. In: AQUINO, Z. G. O. de; GONÇALVES-SEGUNDO, P. R.; PINTO, M. A. G. Estudos do discurso: o poder do discurso e o discurso do poder. São Paulo: Editora Paulistana, 2018. v. 1. p. 122-143. Disponível em Acesso em: 30 de dez. de 2019.

POSSENTI, S. Sobre o ensino de português na escola. In: GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Anglo, 2012, p. 32-38.

REIS, P. C. dos; MACHADO, D. P. BARBOSA, S. A. Sociolinguística e o ensino da língua materna. In: X EDUCERE Congresso Nacional de Educação, 2011, Curitiba. Anais do Congresso Nacional de Educação. Curitiba: Champagnat, 2011. p. 1-11.

SANTOS, E. M. O. Abordagem Comunicativa Intercultural (ACIN): Uma proposta para ensinar e aprender língua no diálogo de culturas. Tese de Doutorado - Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas, SP, 2003.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 23ª. ed. São Paulo: Editora Cultrix, 1995.

SOUZA, M. M. da S; PIRIS, E. L. Reflexões acerca da proposta de ensino de argumentação de um livro didático de português aprovado pelo PNLD/ 2017. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação - EID&A, n. 15, jan./jun.2018. Disponível em: Acesso em: 20 mai. 2019.

TARALLO, A. A pesquisa sociolinguística. 8ª. ed. São Paulo: Ática, 2007.
Publicado
2020-02-28
Como Citar
MENDES DA SILVA, E. PORTUGUÊS/LINGUAGEM: CONCEPÇÃO DE VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS EM LIVROS DIDÁTICOS PARA OS ANOS FINAIS DO FUNDAMENTAL. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, v. 6, n. 2, p. 74 - 95, 28 fev. 2020.