A alfabetização sob o viés da linguística da enunciação

Autores

  • Fabiana Giovani Universidade Federal do Pampa

Palavras-chave:

Alfabetização, gêneros discursivos, produção textual

Resumo

Buscamos aqui compreender o processo de apropriação do sistema de escrita na alfabetização partindo da concepção de linguagem fundamentada na linguística da enunciação bakhtiniana - que a concebe como o espaço de constituição de sujeitos. O estudo teve por pretensão observar como as produções textuais de cinco sujeitos evidenciaram o processo de apropriação da escrita. A análise foi orientada a buscar marcas no texto que comprovassem a presença de dados referentes a três categorias: condições ou contexto de produção; conjunto de características relativamente estáveis; e escrita das palavras. A partir das pistas deixadas nos textos, pôde-se depreender que, além da apropriação da escrita, houve um significativo conhecimento sobre outros elementos como, os gêneros discursivos, em especial os escritos. Assim, ao final do ano notamos que as crianças demonstravam autonomia ao escolherem o gênero de sua opção em uma enunciação. Esse estudo evidencia que devolver o direito à palavra escrita aos sujeitos da sociedade é o caminho da busca do diálogo constitutivo de sujeitos únicos e livres que conheçam, desde os primeiros contatos com a escrita, o significado da palavra ‘igualdade’.

Biografia do Autor

Fabiana Giovani, Universidade Federal do Pampa

Licenciada em Letras na Universidade Federal do Pampa. Email <fabiunipampa@gmail.com>

Referências

ABAURRE, M. et al. (Org.). Cenas de aquisição da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1997.
BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética. São Paulo: Ed. UNESP, 1993.
_________. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
_________. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Ed. Hucitec, 2004.
_________. Discourse in life and discourse in art: concerning sociological poetics.
Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza. New York: Academic Press, 1976.
BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF,1998/2000.
BRITTO, L. P. L. A escola: o grande interlocutor. In: GERALDI, João W. (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2004. p. 118 – p. 121.
CAGLIARI, L. C. Alfabetização e lingüística. São Paulo: Scipione, 1999.
DUARTE, C. Uma análise dos procedimentos de leitura baseada no paradigma indiciário. 1997. Dissertação (Mestrado em lingüística) – Instituto de Estudos de Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1997
FERREIRO E. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1987.
FERREIRO E.; TEBEROSKY A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
FIORIN, J. L. et al. (Org.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade. São Paulo: EDUSP, 2003.
_________ Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2006
GERALDI, J. W. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas: Mercado de letras – ALB, 1996.
_________. Portos de passagem. São Paulo: Ática, 2002.
_________. O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2004.
_________. A linguagem nos processos sociais de constituição da subjetividade. In: ROCHA et al. (Org.). Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
GINZBURG, C. O Queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
_________. Sinais. Raízes de um paradigma indiciário. In: _________. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
KLEIMAN, A. B.(Org.). Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 1995.
LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VIGOTSKI et al.. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2001.
PONZIO, A. La revolución bajtiniana. Madrid: Ediciones Cátedra, 1998.
RAMA, A. A cidade das letras. São Paulo: Brasiliense, 1985.
REYES, C. R. Sobre o que falam as crianças em suas histórias: Leituras e práticas cotidianas. 2000. Tese (Doutorado em educação) – Depto de Metodologia de ensino, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2000.
ROJO, R. A teoria dos gêneros em Bakhtin: construindo uma perspectiva enunciativa para o ensino de compreensão e produção de textos na escola. In: BRAIT, B. (Org.).
Estudos enunciativos no Brasil: histórias e perspectivas. Campinas: Pontes;São Paulo, 2001.
SANTOS, S. N. G. Recontando histórias na escola: gêneros discursivos e produção da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez, 1993.
SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Downloads

Publicado

2019-07-07

Como Citar

FABIANA GIOVANI. A alfabetização sob o viés da linguística da enunciação. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 22–41, 2019. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/103. Acesso em: 10 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.