PERSPECTIVAS DO LETRAMENTO DIGITAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O ENSINO MÉDIO

Autores

  • Susana dos Santos Nogueira Universidade Federal de Goiás
  • Eliane Marquez da Fonseca Fernandes UFG

Palavras-chave:

Palavras-chaves: documentos oficiais; letramento digital; gêneros textuais/discursivos; ensino de língua portuguesa.

Resumo

Resumo: Este trabalho se configura como uma pesquisa qualitativa (ESTEBAN, 2010), de base interpretativista, de caráter documental (LUDKE; ANDRÉ, 1986; CELLARD, 2012)  e se insere no campo de estudos da linguagem. Este artigo tem por objetivo realizar uma análise das perspectivas do letramento digital na Base Nacional Comum Curricular para o ensino da língua portuguesa no Ensino Médio (BNCC/EM/LP/ MEC, 2018). Esse é o primeiro documento brasileiro que apresenta a proposta de definir os objetivos de aprendizagem e os conteúdos a serem abordados em todas as escolas do território nacional. O documento apresenta o discurso de que está centrado no desenvolvimento de competências, com vistas a alcançar a educação integral dos jovens, para que eles se tornem críticos e autônomos, protagonistas de seus conhecimentos, por intermédio da investigação, da pesquisa e intervenção. Portanto, é imprescindível discutir as concepções de ensino veiculadas nos enunciados desse “novo” documento, que contribui diretamente para a formação de professores, para a elaboração de currículos estaduais e municipais e também para a condução das aulas. Para análise do corpus, consideramos os estudos sobre o letramento (ROJO, 2009, 2012, 2016; TFOUNI, 2010; SOARES, 1998; DUDENEY, G; HOCKLY, N; PEGRUM, M., 2016; KLEIMAN, 2006) e as contribuições teóricas sobre as noções de gênero discursivo/ textuais (BAKHTIN, 2003; BAKHTIN, VOLOCHINOV, 2006; MARCUSCHI, 2008). Os dados apontam para uma perspectiva de trabalho em língua portuguesa voltada para o letramento digital por meio dos gêneros textuais/discursivos que circulam nos campos da atividade humana.

 

 

Biografia do Autor

Susana dos Santos Nogueira, Universidade Federal de Goiás

Doutoranda em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás.

Eliane Marquez da Fonseca Fernandes, UFG

Pós-Doutorado em Educação pela UnB (2011) e Doutorado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (2007) e atualmente trabalha como professora do nível Associado 2 na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. 

Referências

ANDRADE, C. S. M; FERNANDES, E. M. F. F; SOUZA, M. A. As tecnologias como ferramentas na educação linguística: a BNCC e a visão dos professores. Texto livre: linguagem e tecnologia, v. 12, n. 2, p. 30-46, mai.-ago. 2019. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/15124/1125612555. Acesso em: 12 fev. 2020.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BAKHTIN, M.; VOLOCHINOV, V. M. Marxismo e Filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental. Brasília: MEC, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf. Acesso em: 10 jul. 2014.
______. Orientações curriculares para o ensino médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Conhecimentos de Língua Portuguesa e Literatura. Brasília: MEC, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf
Acesso em: 12 fev. 2020.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 12 fev. 2020.

______. Base Nacional Comum Curricular. Versão final. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#medio/a-area-de-linguagens-e-suas-tecnologias. Acesso em: 12 fev. 2020.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa:
enfoques epistemológicos e metodológicos. Trad. Ana Cristina Nasser. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 295-316.

DUDENEY, G; HOCKLY, N; PEGRUM, M. Da pesquisa às implicações. In: ______letramentos digitais. Trad. M. Marcilino. São Paulo: Parábola, 2016. p. 15- 60. Cap 1

GUEDES, I. C. O; BRESSANIN, J. A; SOARES, N. de P. Os sentidos do ensino de Língua Portuguesa na BNCC para o Ensino Médio. Traços de linguagem. V.3, n.1, p. 35-46, 2019. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/tracos/article/view/4126/3291. Acesso em: 09 de nov. de 2019.

KLEIMAN, Â, B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: ____ (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. 9ª reimpressão. Campinas: Mercado das Letras, 2006.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Métodos de coleta de dados: observação, entrevista e análise documental. In: ______. (Org.). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. p. 25-44.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais no ensino de língua. In: MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008. p.143-186.

MENEZES DE SOUZA, L.M.T. Para uma redefinição de Letramento Crítico: conflito e produção de significação. In: MACIEL, R. F. e ARAUJO, V. A. (Orgs.). Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco Editorial, 2011. Disponível em: https://www.academia.edu/595539/Para_um_redefini%C3%A7%C3%A3o_de_letramento_cr%C3%ADtico_conflito_e_produ%C3%A7%C3%A3o_de_significa%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 12 fev. de 2020.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

______. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.

______. Novos letramentos, tecnologias, gêneros do discurso. In: SOUZA, S. e SOBRAL, A. (orgs.). Gêneros entre o texto e o discurso: questões conceituais e metodológicas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016. P.127-149.

SILVA, E. M. O. O letramento crítico e o letramento digital: a web no espaço escolar. Revista X. V. 2, p. 32, 2016. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/46572/29526. Acesso em: 15 de jan. de 2020.

SOARES, M. Letramento, um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

TFOUNI, L. V. Letramento – mosaico multifacetado. In: TFOUNI, L. V. (org). Letramento, escrita e leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010. p. 217- 228.

Downloads

Publicado

2020-11-08

Como Citar

NOGUEIRA, S. dos S.; DA FONSECA FERNANDES, E. M. PERSPECTIVAS DO LETRAMENTO DIGITAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O ENSINO MÉDIO. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 48 - 71, 2020. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/136. Acesso em: 30 nov. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.