LÍNGUA PORTUGUESA E MULTILETRAMENTOS, PERSPECTIVAS DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR-EM

Autores

  • Shirley Sousa Silva PUC-SP

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular; Ensino Médio; Multiletramentos

Resumo

Este trabalho discorre a respeito da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o Ensino Médio à luz dos multiletramentos (NEW LONDON GROUP, 1996/2000; ROJO, 2013; ROJO e BARBOSA, 2015; ROJO e MOURA, 2019). Analisa as características dos multiletramentos em sua articulação com as habilidades requeridas na BNCC (BRASIL, 2017), para  área de Língua Portuguesa, voltada ao ensino médio. A razão disso é que pesquisas têm apontado que há um hiato existente entre o que dizem os ordenamentos legais e o ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa (ROJO, 2013). A causa disso é que as determinações desses documentos coocorrem com o desconhecimento, por parte do educador, das teorias de linguagem que os embasam (KLEIMAN, 2007, 2008), em grande parte, por não integrarem os programas dos cursos de Pedagogia e de Letras que os formam (SOARES, 1997). Acontece que esses documentos, apoiados em teorias que os professores ignoram, são orientadores de livros didáticos e outros instrumentos pertencentes à esfera da educação (cf. KLEIMAN, 2008). Isso contribui para que a imutabilidade de sentidos e significados se estabeleça, fazendo com que não haja mudanças nos modos de pensar e agir docente, configurando-se como mais um aporte para que as transformações nas escolas, não aconteçam (MAGALHÃES, 2011).  Este trabalho situa-se no campo da Linguística Aplicada Crítica e trata-se de um estudo documental (LANKSHEAR e KNOBEL, 2008). Teoricamente, tem base nos estudos sobre Multiletramentos (NEW LONDON GROUP, 1996/2000; ROJO, 2013; ROJO e BARBOSA, 2015; ROJO e MOURA, 2019). Os dados são analisados de acordo com a noção bakhtiniana de gênero do discurso, atrelada à concepção de esfera da atividade (BAKHTIN [1952-1953] 2016; BAKHTIN/VOLOSHINOV [1929]2009). A análise das habilidades selecionadas da BNCC evidenciou a supressão de etapas enunciativas devido ao uso de tropos lexicais por expansão semântica (FIORIN, 2016), dentre outros. 

Referências

BAKHTIN, M./VOLOCHINOV, V. N. [1929]. Marxismo de filosofia da linguagem: Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira, 13 ed. São Paulo: HUCITEC, 2009.
BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Trad., organização, posfácio e notas de Paulo Bezerra. 1 ed. São Paulo: Editora 34, [1952-1953]2016.
BLOMMAERT, J.; RAMPTON, B. Language and Superdiversity: A Posotion Paper. Working Papers in Urban Language e Literacies, Paper 70. London: Tilburg University and King’s College, 2011.
BRAIT, Beth; PISTORI, Maria Helena Cruz. A produtividade do conceito de gênero em Bakhtin e o Círculo. São Paulo: Alfa, 56 (2): 371-401, 2012.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – Ensino Médio. Documento homologado pela Portaria n° 1.570, publicada no D.O.U. de 21/12/2017, Seção 1, Pág. 146. Brasília, 21 de dezembro de 2017.
CASTRO, Thiago Gomes; GOMES, William Barbosa. Como sei que eu sou eu? Cinestesia e Espacialidade nas conferências Husserlianas de 1907 e em pesquisas neurocognitivas. Revista da Abordagem Gestáltica. XVII(2): 123-130, jul-dez, 2011.
COPE, Bill; KALANTIZIS, Mary. Multiliteracies: New Literacies, New Learning. Pedagogies: Na International Journal, 4:3, 164-195, 2009.
FIORIN, J.L. Figuras de retórica – 1a. ed. São Paulo: Contexto, 2016.
GRILLO, S. V. C.; OLÍMPIO, A. M. Gêneros do discurso e ensino. Filologia e linguística portuguesa, São Paulo, n.8, p.379-390, 2006.
JEWITT, C. Multimodality and literacy in school classrooms. Review of research in education, v. 32, n. 1, p. 241-267, 2008.
KALANTZIS, M. COPE, B. Learning by Design Project Group. Learning by Design, Victorian Schools Innovation Commission & Common Ground, Melbourne, 2005.
KLEIMAN, Angela B. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 2, n 53, p 1-25, dez, 2007.
______, Angela B. Os estudos de letramento e a formação do professor de língua materna. Linguagem em (Dis)curso – LemD, v.8, n.3, p. 487-517, set/dez. 2008.
KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. As tramas do texto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
KRESS, G. Design and transformation: New theories of meaning. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (ed.). Muliliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000a. p. 153-161.
______, Gunther. Multimodality. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (ed.). Muliliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000b. p. 182-202.
LANKSHEAR, Colin; KNOBEL, Michele. Panorama da coleta de dados na pesquisa qualitativa. In: Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Porto Alegre: Artmed, 2008, p.149-166.
MAGALHÃES, M. C. C. Pesquisa crítica de colaboração: escolhas epistemo-metodológicas na organização e condução de pesquisas de intervenção no contexto escolar. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. Questões de método e de linguagem na formação docente. Mercado de Letras, p. 13-39, 2011.
MOITA LOPES, Luis Paulo. Como e porque teorizar o português: recurso comunicativo em sociedades porosas e em tempos híbridos de globalização cultural. In: MOITA LOPES, Luis Paulo [orgs]. O português do século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola Editorial, p. 101-119, 2013
NEW LONDON GROUP. A pedagogy of multiliteracies. Designing social futures. Harvard Educational Review 66, 60-92. New York: Routledge, 1996/2000.
OLIVEIRA, Kleber Adriano Silva. O ponto e o pixel: novas mídias, novas linguagens. Dissertaçao de mestrado. São Paulo, 2006.
PASSARELI, Lilian Ghiuro. Educaçao Linguística ao ritmo deste tempo cultural acelerado: ler e escrever para interagir na vida em sociedade. In: Alfabetização, letramento e multiletramento em tempos de resistência. Liberali, Fernanda Coelho; Megale, Antonieta (Orgs). Campinas, SP: Pontes Editores, 2019.
PENNYCOOK, Alastair. Language as local practice. London: Routledge, 2010.
PISTORI, Maria Helena Cruz. Democracia, jornalismo e discurso jurídico: ressonâncias dialógicas e hegemonia. In: Dialogismo: teoria e(em) prática. Beth Brait. Anderson Salvaterra Magalhães (Orgs.). – São Paulo: Terracota Editora, 2014.
PUZZO, Miriam Bauab. As imagens de Lula na revista Veja sob a pespectiva dialógica da linguagem. In: Dialogismo: teoria e(em) prática. Beth Brait. Anderson Salvaterra Magalhães (Orgs.). – São Paulo: Terracota Editora, 2014.
ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.
______. Desafios e possibilidades do livro no ensino de Português como língua materna: pesquisa e políticas públicas. Seminário de Pesquisa Livros Didáticos de Língua Portuguesa, v. 1, p. 26-31, 2012.
______ [Orgs.]. Escola conectada: os multiletramentos e as TICs. 1a ed. – São Paulo: Parábola Editorial, 2013.
______. Materiais didáticos e ensino de línguas. In: MOITA LOPES, Luis Paulo. Linguística aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013.
______; BARBOSA, J. P. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo: Parábola, 2015.
______; MOURA, Eduardo. Letramentos, mídias, linguagens. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.
SANTAELLA, Lúcia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advendo do pós-humano. Revista FAMECOS. Porto Alegre, nº 22; dezembro 2003.
SOARES, M. B. Sobre os PCN de Língua Portuguesa: algumas anotações. In: MARCUSCHI, E.; SOARES, E. A. L. (Orgs.). Avaliação educacional e currículo: inclusão e pluralidade. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1997.
SOBRAL, Adail. Uma proposta bakhtiniana de estudo dos gêneros discursivos. In: Dialogismo: teoria e(em) prática. Beth Brait. Anderson Salvaterra Magalhães (Orgs.). – São Paulo: Terracota Editora, 2014.
COVID-19 Educational Disruption and Response UNESCO, 2020. Disponível em <https://en.unesco.org/covid19/educationresponse>. Acesso em: mai 2020.
VIANNA, Rodolfo. O gênero jornalístico informativo pela perspectiva do Círculo de Bakhtin. In: Dialogismo: teoria e(em) prática. Beth Brait. Anderson Salvaterra Magalhães (Orgs.). – São Paulo: Terracota Editora, 2014.

Downloads

Publicado

2020-11-08

Como Citar

SOUSA SILVA, S. LÍNGUA PORTUGUESA E MULTILETRAMENTOS, PERSPECTIVAS DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR-EM. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 384 - 404, 2020. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/154. Acesso em: 30 nov. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.