AUTOBIOGRAFIA NA SALA DE AULA: UM PROCESSO DISCURSIVO DE AUTORIA

Autores

  • Luciane Botelho Martins UFPel

Palavras-chave:

Produção de textos; Autobiografia; Autoria; Análise de Discurso.

Resumo

A busca por uma prática com a produção de textos, diferente daquela que é tradicionalmente realizada nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, motivou a realização de um projeto de ensino envolvendo a leitura, a interpretação e a produção escrita de gêneros textuais/discursivos diferentes. Entre os textos produzidos, foi o gênero autobiografia que motivou perguntas e reflexões sobre o processo de autoria na produção dos sujeitos-alunos. Este artigo então, reflete sobre o processo discursivo da autoria, especificamente nos textos autobiográficos produzidos por alunos do 4º ano de uma escola pública do município de Rio Grande - RS. A pesquisa que tem como arcabouço teórico-metodológico a Análise de Discurso de filiação francesa visa compreender os processos que levam alunos produtores de textos a constituírem-se como sujeitos por meio do funcionamento discursivo da leitura, da interpretação e da autoria. Atentos aos desafios impostos ideologicamente pelo Discurso Pedagógico (ORLANDI, 2011), nossa proposta é, por meio deste trabalho, lançar um novo olhar sobre a materialidade linguístico-discursiva dos textos produzidos em sala de aula, pois acreditamos que a escola ao se colocar como lugar de circulação de diferentes discursos abre espaço para que o sujeito-aluno se constitua sujeito-autor, sobretudo quando este assume uma posição frente aos distintos modos do dizer.

Referências

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática de Língua Portuguesa. 48ª edição. São Paulo: Companhia Editorial Nacional, 2008.
CORACINI, Maria José R. Faria. A produção textual em sala de aula e a identidade do autor. In: LEFFA, Vilson; PEREIRA, Aracy E. (org.) O ensino da leitura e produção textual. Pelotas, RS: Educat, 1999.
COURTINE, Jean Jacques. Análise do Discurso Político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Paulo: EdUFSCar, 2009.
GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna: aprender a escrever, aprendendo a pensar. 23ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.
GERALDI, João Wanderley. Da redação à produção de textos. In: CHIAPPINI, Ligia. (Org.) Aprender e ensinar com textos de alunos. Volume 1. São Paulo: Editora Cortez, 2004.
ORLANDI, Eni. A linguagem e seu Funcionamento: as formas do discurso. 6ª edição. Campinas, SP: Pontes, 2011.
_____. Análise de Discurso: Princípios & Procedimentos. 10ª edição. Campinas, SP: Pontes, 2012a.
_____. Discurso e Texto: Formulações e Circulação dos Sentidos. 4ª edição. Campinas, SP: Pontes, 2012b.
_____. Interpretação, autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 6ª edição. Campinas, SP: Pontes, 2012c.
PÊCHEUX & FUCHS (1975). A propósito da Análise Automática do Discurso. In: GADET & HAK (org). Por uma análise automática do discurso. Campinas: Ed. Unicamp, 1990.
PÊCHEUX, Michel (1969). Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: GADET & HAK (org). Por uma análise automática do discurso. Campinas: Ed. Unicamp, 1990.
PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: Uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de: Eni Puccinelli Orlandi et al. 4ª edição. Campinas, SP: Unicamp, 2009.

Downloads

Publicado

2021-04-06

Como Citar

BOTELHO MARTINS, L. AUTOBIOGRAFIA NA SALA DE AULA: UM PROCESSO DISCURSIVO DE AUTORIA. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 4–20, 2021. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/184. Acesso em: 19 set. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.