A ATUAÇÃO DOCENTE E A REESCRITA DE TEXTOS ESCOLARES

Autores

  • Rogério Soares de Oliveira Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Carlos Eduardo

Palavras-chave:

Produção escrita. Reescrita. Mediação docente. Pesquisa-ação

Resumo

A produção de texto é uma atividade essencial para as pessoas. Numa perspectiva do ensino da escrita com foco no processo, o seu aprendizado se realiza em etapas. Tomando essa concepção de escrita como referência, este artigo sistematiza parte dos resultados de uma pesquisa que teve o objetivo de compreender como os professores de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental II, da escola pública, concebem e medeiam a reescrita na sala de aula. O marco teórico do trabalho se constrói a partir dos planeamentos do Interacionismo Sociodiscursivo, no que tange ao Interacionismo Social de Vygotsky, e na Enunciação Dialógica de Bakhtin, além de estudos que nortearam nossas reflexões sobre a didatização e a avaliação do texto escrito na escola. O delineamento metodológico se fez a partir da pesquisa-ação, na perspectiva da denominada investigação-para-a-ação, e teve como instrumentos de coleta de dados: a entrevista de grupo focal e a observação sistemática. Os resultados a que chegamos mostraram que: 1) as participantes da pesquisa concebem a reescrita como uma etapa importante para o ensino, mas não a vinculam no contexto maior do ensino do escrever como um processo e numa perspectiva de prática social; 2) a mediação para a fase de reescrita é feita através da leitura dos textos discentes, assistência individual com as dificuldades encontradas e avaliação final; 3) O estabelecimento de critérios objetivos para as correções dos manuscritos e o feedback fornecido aos alunos foram itens que precisam conferir maior aproximação na relação dialógica entre aluno-autor e professor-leitor-avaliador.

Referências

AMADO, João; CARDOSO, A. P. A investigação – ação e suas modalidades. In: Manual de investigação qualitativa em educação. 3. ed. Coimbra: impressa da Universidade de Coimbra, 2017.

____________; FERREIRA, Sônia. A entrevista na investigação em educação. In: Manual de investigação qualitativa em educação. 3. ed. Coimbra: impressa da Universidade de Coimbra, 2017.

BAKHTIN, M.; VOLOSHINOV, V. N. [1952-1953]. Os gêneros do discurso. In: Estética da Criação Verbal. Trad. de Maria Ermantina Galvão Gomes Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BRASIL, MEC. Guia de livros didáticos: PNLD 2017. (Apresentação). Brasília: Secretaria de Educação Básica, 2017. Disponível em:<http://www.fnde.gov.br/programas/programas-do-livro/livro-didatico/guia-do-livro-didatico/item/8813-guia-pnld-2017>. Acesso em: 31 de jan. de 2018.
_____________. Parâmetros Curriculares – Língua Portuguesa– 3º e 4º CICLOS, 1998.


FERRAREZI JÚNIOR, C; CARVALHO, R. S. de. Produzir textos na educação básica: o que saber, como fazer. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. A escrita como trabalho. In: MARTINS, M. H. (coautora). Questões de linguagem – Muito além do Português. São Paulo, Contexto, 1991.
_________. Escrever é reescrever. Caderno do professor - Coleção Alfabetização e Letramento. Belo Horizonte: Ceale/FaE/UFMG, 2006. p.62.

FREITAS, E. C.; PRODANOV, C. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Disponível em: <http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/E-book%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf>. Acesso em: 16 de jan. de 2019.

GASPAROTTO, D. Moreira; RENILSON, J. Menegassi. A mediação do professor na revisão e reescrita de textos de aluno de Ensino Médio. Caleidoscópio 11.1 (2013): 29-43.

GERALDI, J. W. Concepções de linguagem e ensino de português. (Org.). O texto na sala de aula; leitura e produção. Cascavel: Assoeste, 1984.

GUERRA, I. C. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Cascais, Portugal: Principia, 2008.

JESUS, C. A. de. Reescrevendo o texto: a higienização da escrita. In: CHIAPINI, L. Aprender e ensinar com textos de alunos. – 6. ed. – vol. 1 – São Paulo: Cortez, 2004.

KLEIMAN, A. B. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. In: Signo. Santa Cruz do Sul, v. 32, n. 53, p. 1-25, dez, 2007. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/view/242/196>. Acesso em: 31 de maio de 2019.

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2010.

PASSARELLI, Lílian Guiuro. Ensino e correção na produção de textos escolares. 1ª ed. São Paulo: Telos, 2012.

RUIZ, Eliana Donaio. Como corrigir redações na escola. São Paulo: Contexto: 2013.

SERAFINI, Maria Teresa. Como escrever textos. 9. ed. São Paulo: Globo, 1998.

SERRANO, Gloria Pérez. Investigación cualitativa. Retos e interrogantes – II. Técnicas y análisis de datos. 4. ed. Madri: La Muralla, S. A., 2007.

SILVA, Célia Jesus dos Santos. A correção e a avaliação do texto escrito na escola: uma proposta didática a partir da correção textual-interativa. Dissertação de Mestrado. Ilhéus, BA: UESC, 2017.

SOARES, D. de A. Produção e revisão textual: um guia para professores de português e de línguas estrangeiras. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. Coleção temas básicos de pesquisa-ação.2. ed. São Paulo: Cortez, 1986.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

SOARES DE OLIVEIRA, R.; NAVARRO AQUINO, C. E. A ATUAÇÃO DOCENTE E A REESCRITA DE TEXTOS ESCOLARES. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 21–42, 2020. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/187. Acesso em: 4 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.