NARRATIVAS DO CERRADO:

As vozes das matas para uma educação linguística antirracista

Autores

  • Tânia Rezende Universidade Federal de Goiás

Palavras-chave:

Educação linguística; Educação antirracista; Escrevivência; Memórias; Matrinarrativas

Resumo

A estruturação do mundo moderno colonial mobilizou diversos projetos de dominação da natureza, dos territórios e dos corpos, inferiorizando as populações colonizadas. A modernidade ilustrada se autoproclamou como universal e única, invalidando qualquer outra forma de ser, sentir, pensar, agir e falar: ontoepistemicídio. As línguas de colonização foram introduzidas nos territórios colonizados como línguas de cultura e de conhecimento, deslegitimando as demais: linguicídio. O catolicismo foi imposto como religião única e o cristianismo como sistema único de relação com o sagrado e com o mundo. Para ser racional, civilizado e se conformar com a nova ordem, o ser humano teve de perder sua divindade e seu vínculo com o cosmo, ainda que não totalmente. A escola e a igreja se encarregaram de cumprir o árduo papel de normatizar o “novo homem”. O objetivo desta discussão é problematizar a existência de cosmogonias e ontoepistemologias, que se manifestam em práticas cosmolinguísticas e em matrinarrativas cerradeiras, que expressam a manutenção do vínculo do ser humano com a natureza e com o sagrado, apesar da modernidade/colonialidade. Com essa problematização, pretendo propor estratégias de fortalecimento das matrinarrativas e das práticas cosmolinguísticas, criando espaços e situações para a insurgência e a instauração das memórias ancestrais coletivas, por meio da “escrevivência” (EVARISTO, 2020), nas aulas de línguas, visando uma educação linguística antirracista. Espero que com a prática da “escrevivência”, entendida como “a escrita de nós” (NUNES, 2020, p. 12), como lócus pedagógico nas aulas de línguas, a escola possa potencializar a escrita como um ato político para as pessoas minorizadas, mais especificamente, para as mulheres dos grupos excluídos, para as quais a escrita tem sido, historicamente, negada. Dessa forma, para além da Literatura, a “escrevivência” poderá insurgir na escola, no ensino de línguas, como uma aliada das mulheres subalternizadas na luta por mais igualdade social e política.

Referências

Referências

ANZALDÚA, Gloria. Bordelands/La frontera – the new mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 2012.

BRANDÃO-TAPUIA, Welington Vieira. Relatório de Etapa de Estudos em Terras Indígenas – Terra Indígena Carretão. Licenciatura em Educação Intercultural, Núcleo Takynahak? de Formação de Professores Indígenas, Universidade Federal de Goiás, 2014.

COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought: knowledge, consciousness, and the Sociolinguística: New York: Routlegde, 2000.

DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado. Escrevivência: a escrita de nós – reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020.

ESPOSITO, Roberto. El dispositivo de la persona. Manantial. Buenos Aires, 2000.

EVARISTO, Conceição. Escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado. Escrevivência: a escrita de nós – reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020, p. 26-46.

FURNAS. Sistema Furnas – Usina de Serra da Mesa. s/d. Disponível em: https://www.furnas.com.br/subsecao/129/usina-de-serra-da-mesa---1275-mw?culture=pt. Acesso em: 4 out. 2020.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

hook, bell. Ensinando a transgredir – A educação como prática de liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

IPAXI’AWYGA, Gilson. Apontamentos de aula na disciplina Aspectos Interculturais da Linguagem. Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Área de Estudos Linguísticos, segundo semestre de 2018.

IPOL – Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística. Lista das línguas cooficiais em municípios brasileiros. Disponível em: http://ipol.org.br/lista-de-linguas-cooficiais-em-municipios-brasileiros. Último acesso em: 11 dez. 2020.

KAMBEBA, Márcia Wayna. Ay kakyri Tama/ Eu moro na cidade. São Paulo: Pólen, 2018.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LIMA, Hildomar José de. Interpretação transemiótica de práticas escritas em português por pessoas surdas. 2020. 191 f. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, 2020.

MACHADO, Ana Elizabete Barreira. Posturas sociolinguísticas decoloniais do Povo Tapuia do Carretão. 2016. 150 f. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Letras, 2016.

MASTRELLA-DE-ANDRADE, Mariana Rosa. Comunicação Oral, Workshop Anti-racist Education: turning visible what some eyes “don’t see”. In: XVI ENFOPLE – Universidade Estadual de Goiás, 2020.

NUNES, Isabella Rosado. Sobre o que nos move, sobre a vida. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado. Escrevivência: a escrita de nós – reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020, p. 10-24.

REZENDE, Tânia Ferreira. Polifonia ontoepistemológica transcultural em gêneros do discurso oral. Artigo inédito que compõe o relatório de pesquisa de pós-doutoramento da autora, 2019.

RICH, Adrienne. The burning of paper instead of children. https://www.angelfire.com/poetry/philosophyofkate/recommendpoets/adriennerich/burning.html

RODRIGUES-TAPUIA, Eunice Moraes da Rocha. Narrativas Tradicionais do Povo Tapuia. 2020. 130 f. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, 2020.

RODRIGUES-TAPUIA, Eunice Moraes da Rocha. Comunicação Oral, Workshop Anti-racist Education: turning visible what some eyes “don’t see”. In: XVI ENFOPLE – Universidade Estadual de Goiás, 2020.

RODRIGUES-TAPUIA, Eunice Moraes da Rocha. Português Tapuia: um signo de resistência indígena. Porto das Letras, Porto Nacional, Dossiê Sociolinguística: os Olhares do Sul na Desestabilização dos Modelos Herdados, v. 4, n. 1, 2018. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/issue/view/244. Acesso em: 11 dez. 2020.

RODRIGUES-TAPUIA, Eunice da Rocha Moraes. Processo sócio-histórico de formação do Português Tapuia. Trabalho de Conclusão de Curso em Educação Intercultural-Ciências da Linguagem. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, Núcleo Takinahak? de Formação Superior Indígena, 2011.

SOUZA, Raquel Castilho Souza; ANDRADE, Karylleila; REZENDE, Tânia Ferreira. O currículo intercultural da escola indígena Akw? do Tocantins-BR em uma perspectiva decolonial. In: CARVALHO, Roberto Francisco de. et. al. (Orgs.). Educação escolar no Tocantins – política, currículo e prática. Curitiba, 2020, p. 189-207.

Narrativas orais

Dona Ana Borges; Dona Marta Benzedeira e outras. Cantos, rezas, causos e saberes em matrinarrativas cerradeiras. Em: REZENDE, Tânia Ferreira. Memórias, linguagens e saberes do Cerrado no Vale do São Patrício em Goiás. (inédito).

Martim vaqueiro e lenhador. Causos de trabalhador e mentiras de pescador: saberes e invenções nos causos e nas lendas das beiras de estrada. Em: REZENDE, Tânia Ferreira. Memórias, linguagens e saberes do Cerrado no Vale do São Patrício em Goiás. (inédito).

Downloads

Publicado

2021-11-20

Como Citar

REZENDE, T. NARRATIVAS DO CERRADO:: As vozes das matas para uma educação linguística antirracista . Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 38–58, 2021. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/208. Acesso em: 27 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.