#BLACKLIVESMATTER AND OTHERS HASHTIVISMS

Language and its role on virtual protests

Autores

  • Evellin Bianca de Oliveira
  • Maria D'ajuda Alomba Ribeiro UESC

Palavras-chave:

Hashtivism, Language, Social Network

Resumo

Esta pesquisa se trata de uma revisão de literatura que tem por objetivo investigar o uso dos hashtags# como forma de protesto e luta social, entendendo que essa maneira de ativismo pode ser vista como um dos fenômenos da linguagem, característico das redes sociais. Buscamos investigar quais implicações esse ativismo, chamado de hashtivism, pode trazer para o não virtual, para tanto, trazemos como objeto de estudo o #blacklivesmatter, que embora já tenha sido utilizada ao longo dos anos, teve sua maior popularização em tempos de pandemia. Na primeira sessão, trazemos um breve histórico sobre as redes sociais de seu início até a atualidade (GONÇALVES, 2012; LEMOS, 2005; KORENICH et al. 2013, dentre outros); prosseguimos elucidando discussões sobre o ativismo virtual e social, marcado pelo uso do símbolo chamado hashtag # e uma frase representativa (KOSNICK AND FELDMAN, 2020; GOSWAMI, 2018; CABALLERO E GRAVANTE, 2018, dentre outros); em seguida, daremos maior atenção a #blacklivesmatter, discutindo inicialmente sobre o racismo e suas facetas e o uso dos hashtivisms como uma forma de reinvindicação pela igualdade ( RIBEIRO, 2019; ALMEIDA, 2019). Utilizamos as pesquisas do Pew Research Center (2020), para apontar como o #blacklivesmatter cresce e decresce nas redes e quais fatores levam a essas ocorrências. Por fim, conectaremos essa nova forma de utilizar a língua e seus signos com as ideias de Maturana (1992) e seus estudos sobre biologia da linguagem. Esperamos que essa pesquisa possa contribuir para reflexões acerca da linguagem no contexto virtual compreendendo que virtual e social não são apenas dicotomias, mas se entrelaçam positivamente ou não. Palavras-Chave: Hashtivism; Redes Socias; Linguagem;

Referências

Available on: https://www.pewresearch.org/. Access on August, 12, 2020.

Available on: www.jstor.org/stable/j.ctvndv9md. Accessed on 28 July 2020.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

CABALLERO, Francisco Sierra; GRAVANTE, Tommas: Networks, Movements and Technopolitics in Latin America Critical Analysis and Current Challenges. Mexico Global Transformations in Media and Communication Research – A Palgrave and IAMCR Series ISBN 978-3-319-65559-8 ISBN 978-3-319-65560-4 (eBook) https://doi.org/10.1007/978-3-319-65560-4. 2018

DE KOSNIK, Abigail, and FELDMAN, Keith P., editors. #Identity: Hashtagging Race, Gender, Sexuality, and Nation. University of Michigan Press, 2019. JSTOR.

GOFFMAN, E. (1972). On face-work: An analysis of ritual elements in social interaction. In Interaction ritual: Essays on face-to-face behaviour (pp. 5–45). Harmondsworth, UK: Penguin Books

GONÇALVES, Vitor Rodrigues. Gramática e Amizade: Um estudo sobre comunicação e a construção das emoções nas redes sociais. Dissertação (mestrado)– Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Comunicação Social, 2012.

GOSWAMI, Manash. Social Media and Hashtag Activism. 2018. Available on https://www.researchgate.net/publication/326655352_Social_Media_and_Hashtag_Activism. Access on August, 1st,

JACKSON, Sarah; BAILEY, Moya; WELLES, Brooke Foucault. “#HashtagActivism: Networks of Race and Gender Justice” The MIT Press DOI: https://doi.org/10.7551/mitpress/10858.001.0001. ISBN electronic: 9780262356503 Publication date: 2020.

KORENICH, Lindsay; LASCU, Dana; MANRAI, Lalita; MANRAI Ajay (2013). Social Media: Past, Present and Future. Routledge Companion on the Future of Marketing. 234-249.

LEMOS, A. Cibercultura e Mobilidade. A Era da Conexão. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005

MATURANA R., Humberto: Emociones y Lenguaje en Educación y Política. Centro de Educación del Desarrollo (CEO) Ediciones Pedagógicas Chilenas S. A Santiago de Chile 5ta. Edición 1992, 98pp.

OLIVEIRA, Ana Larissa Adorno Marciotto; CARNEIRO, Marisa Mendonça. #Elesim, #Elenão, #Elasim, #Elanão:o Twitter e as hashtags de amor e de ódio na campanha presidencial brasileira de 2018. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, SC, v. 20, n. 1, p. 33-49, jan./abr. 2020.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. Companhia das Letras. Edição do Kindle, 2019.

SANTANA, Deivid Mota; LIMA Maria Érica de Oliveira. Redes Sociais: Estudo de Caso Acerca da Utilização do Facebook como Meio de Comunicação. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste – Fortaleza - CE – 29/06 a 01/07/2017

SANTOS, NINA. The Brazilian Protest Wave and Digital Media: Issues and Consequences of the “Jornadas de Junho” and Dilma Rousseff’s Impeachment Process. In CABALLERO, Francisco Sierra; GRAVANTE, Tommas (org): Networks, Movements and Technopolitics in Latin America Critical Analysis and Current Challenges. Mexico Global Transformations in Media and Communication Research – A Palgrave and IAMCR Series ISBN 978-3-319-65559-8 ISBN 978-3-319-65560-4 (eBook) https://doi.org/10.1007/978-3-319-65560-4. 2018

TELLES, André. A revolução das mídias sociais: cases, conceitos, dicas e ferramentas. São Paulo, 2011.

YANG, Guobin. Narrative Agency in Hashtag Activism: The Case of #BlackLivesMatter. Media and Communication (ISSN: 2183-2439) 2016, Volume 4, Issue 4, Pages 13-17. doi: 10.17645/mac.v4i4.692.

Downloads

Publicado

2021-11-20

Como Citar

DE OLIVEIRA, E. B. .; ALOMBA RIBEIRO, M. D. #BLACKLIVESMATTER AND OTHERS HASHTIVISMS: Language and its role on virtual protests . Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 91–107, 2021. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/211. Acesso em: 27 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.