COLONIALIDADE NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA

Há caminhos para um ensino de Língua Espanhola decolonial?

Autores

  • Ana Caroline da Silva Santos UFSB
  • Lidyane Maria Ferreira de Souza Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Alexandre de Oliveira Fernandes Universidade Federal do Sul da Bahia/Instituto Federal da Bahia

Palavras-chave:

Ensino de Língua Espanhola; Ensino decolonial; Racismo linguístico.

Resumo

A partir de uma análise decolonial compartilharemos neste artigo algumas reflexões acerca da potência da língua/linguagem na colonialidade do ser na seguinte ordem: (i) a instauração da língua espanhola na América Latina como instrumento colonial de poder e suas implicações na construção das subjetividades; (ii) a influência do preconceito e do racismo linguístico na hierarquização linguística e na escolha das variantes do idioma Espanhol nas instituições de ensino brasileiras; (iii) uma breve discussão de perspectivas que permitam pensar o ensino decolonial de Língua Espanhola.

Biografia do Autor

Lidyane Maria Ferreira de Souza, Universidade Federal do Sul da Bahia

Professora adjunta no Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, do Centro de Formação em Humanidades e Professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnicas - PPGER, da Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB. Membro da Comissão de Políticas Afirmativas da UFSB e do grupo de pesquisa Pluralismos Jurídicos e Usos Emancipatórios do Direito.

Alexandre de Oliveira Fernandes, Universidade Federal do Sul da Bahia/Instituto Federal da Bahia

Trata-se de Alexandre de Oliveira Fernandes; Doutor em Ciências da Literatura (UFRJ); Professor de Língua Portuguesa e Literatura do IFBA/Porto Seguro; Coordenador do Grupo de Pesquisas em Linguagens, Poder e Contemporaneidades – GELPOC; Professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade PPGREC/UESB/Jequié; Professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnicas - PPGER, da Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB.

Referências

ANZALDUA, Glória. Como domar uma língua selvagem. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Difusão da língua portuguesa, nº 39, 2009, p. 297 a 309.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 48ª e 49ª edição: junho de 2007.

BHABHA, Homi K. A questão do “outro”. Diferença, discriminação e o discurso do colonialismo. Em: HOLLANDA, H. B. de (Org.). Pós- modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Ministério da Educação. Orientações Curriculares para o Ensino Médio – Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006.

CÉSAIRE, Aime. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1ª edição, 1978.

hooks, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

hooks, Bell. O amor como a prática da liberdade. In: Outlaw Culture. Resisting Representations. Nova Iorque: Routledge, 2006, p. 243–250.

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia Africana desde saberes Ancestrais Femininos: Bordando perspectivas de descolonização do Ser-Tão que há em nós. Revista da ABPN • v. 12, n. 31 • jan – fev 2020, p. 27 a 47.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. GROSFOGUEL, Ramón (et. al). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

MATURANA, Humberto. Emoções e Linguagem na Educação e na Política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002, 3ª edição.

NASCIMENTO, Gabriel. Racismo linguístico: Os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

NEBRIJA, E. A. ([1492] 2010) Gramática de la lengua castellana. Em: Galindo Romeo y L. Ortiz Muñoz (Eds.). Madrid: Edición de la Junta del Centenario.

OLIVEIRA, Kiusam Regina de. Pedagogia da Ancestralidade. “Do 13 ao 20 (Re) Existência do Povo Negro. Revista do SESC. Julho e Agosto de 2019.p. 15-19.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das Encruzilhadas. 1ª ed., Rio de Janeiro, Mórula, 2019.

SIMAS, Luiz Antônio. RUFINO, Luiz. Flecha no tempo. 1ª ed., Rio de Janeiro, Mórula, 2019.

VERONELLI, Gabriela A. Sobre la colonialidad del lenguaje. Universitas Humanística nº.81 enero-junio de 2016 p. 33 a 58.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Em: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005. p. 117 a 142.

Downloads

Publicado

2021-11-20

Como Citar

DA SILVA SANTOS, A. C.; MARIA FERREIRA DE SOUZA, L. .; DE OLIVEIRA FERNANDES, A. COLONIALIDADE NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: Há caminhos para um ensino de Língua Espanhola decolonial?. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 108–129, 2021. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/212. Acesso em: 27 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.