DIÁSPORAS NARRATIVAS:

Uma análise do hibridismo midiático na construção da leitura performática em Grada Kilomba.

Autores

  • Ivan Gomes de Oliveira Unicamp - IEL

Palavras-chave:

linguística aplicada; arte performance; letramentos; racismo.

Resumo

A nossa temporalidade nos chama a atenção para novos formatos de colonialismo ou de materialização de práticas de racismo que se reverberam tanto no cotidiano das relações sociais quanto nos ambientes virtuais, seja por meio dos vocábulos e neologismos da linguagem natural, seja por meio da explicitação mais afrontosa de falas e discursos preconceituosos, às vezes afiançados por autoridades institucionais, policiais e até políticas. Visto que o problema está posto, como a linguística aplicada e a arte contemporânea, juntas, podem contribuir para combater esse problema e propiciar uma educação antirracismo? Tentando encontrar possibilidades de respostas, o artigo em mãos parte dos estudos, reflexões e contribuições sobre os novos e multiletramentos para analisar como diferentes linguagens se articulam para a elaboração do gênero artístico performance, uma vez que outros formatos artísticos veiculam mensagens, mas não propiciam tamanho diálogo com a centralidade do corpo, em geral, o início e o fim dos discursos racistas. Nessa direção, tomamos como corpus a performance Narciso e Eco, de Grada Kilomba, buscando identificar nela as principais características do gênero, propondo investigar a forma como a performance articula diferentes mídias e linguagens para, intertextualmente, construir uma narrativa pós-colonial e decolonial explicativa da sutil materialização do racismo. Para isso, as reflexões aqui presentes consideram uma contextualização atual denunciadora de episódios de racismo no plano global; discutem a penetração das linguagens digitais neste gênero artístico; põem em destaque, sob a óptica dos multiletramentos, quais são as demandas para a leitura deste gênero artístico híbrido. Seguindo este percurso, o artigo demonstra quão imbricada está a linguagem digital, alvo dos multiletramentos, com a arte performance, apontando para a necessidade de responder, no plano educacional, a essas demandas.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. Trad. Maria Ermantina G. G. P. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar y salir de la modernidade. México: Editora Grijalbo, 1989.

CANDAU, Joël. Memória e Identidade: do indivíduo às retóricas holísticas. In. Memória e Identidade. São Paulo: Contexto, 2016.

CHARTIER, R. Do códice ao monitor: a trajetória do escrito. Estudos Avançados, São Paulo, vol. 8 no.21, p. 185-199, May/Aug. 1994.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2004.

CABALLERO, Illeana Diégues. Cenários liminares: teatralidades, performance e política. Tradução de Luis Alberto Alonso e Angela Reis. Uberlândia: EDUF, 2011.

FANON, F. (1952). Peau noir, masques brancs.

HERRERA, M. C. Narrativa testimonial sobre violência política y formacion de subjetividades. In: ARANGO, G. J. (org) Narraciones de experiência em educacion y pedagogia de la memoria. Buenos Aires: UBA, 2015.

JENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Ed. Aleph, (2009[2006])

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LEVY, Pierre. Os três tempos do espírito: A oralidade primária, a escrita e a informática. Tradução Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1992.

LEMKE, Jail L. Letramento metamidiático: transformando significados e mídias. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas. v. 49, nº 2, p. 455-479, jul/dez. 2010.

MARSILLI-Vargas, X. Listening genres: The emergence of relevance structures through the reception of sound, Journal of Pragmatics, California, v.69, p. 42-51, Aug. 2014.

MBEMBE, A. As formas Africanas de Auto-inscrição. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 23, n1, p.171-209, jun. 2001.

SANTAELLA, L. Culturas e Artes do Pós-Humano – Da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTAELLA, L. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007

SAUNDERS, R. Sobre o intraduzível, sofrimento humano, a linguagem de direitos humanos e a CVR da África do Sul. Trad. Thiago Amparo. SUR – Revista Internacional de Direitos Humanos. São Paulo, ano 5, n.9, p.53-75, dez.2008.

ROJO, R. H. R.; MOURA, E. Letramentos, mídias, linguagens. São Paulo, SP: Parábola Editorial, 2019.

ROJO, R. H. R. Gêneros discursivos do Círculo de Bakhtin e multiletramentos. In: ROJO, R. H. R. (Org.) Escol@ conectada: Os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola Editorial, p. 13-36, 2013.

Downloads

Publicado

2021-11-21

Como Citar

DE OLIVEIRA, I. G. DIÁSPORAS NARRATIVAS:: Uma análise do hibridismo midiático na construção da leitura performática em Grada Kilomba. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 16–37, 2021. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/226. Acesso em: 27 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.