O CONHECIMENTO NEGRO-AFRICANO E/OU AFRODIASPÓRICO NAS PRODUÇÕES AFROCENTRADAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

https://doi.org/10.29327/232521.8.2-3

Autores

  • José Diêgo Leite Santana Universidade Federal de Pernambuco
  • Aurino Lima Ferreira Universidade Federal de Pernambuco

Palavras-chave:

Afrocentricidade, Pensamento Africano, Racismo Epistêmico

Resumo

A afrocentricidade possibilita modos outros de investigação que não sejam orientados por agências etnocêntricas. É uma abordagem teórico-metodológica de transformação e de rupturas com modelos hegemônicos que estruturam o racismo epistêmico, tão presente na academia. As pesquisas afrocentradas, para manter coerência com seus princípios ontológicos e epistêmicos, devem centrar-se em um cânone outro, que respeite os referenciais negro, africano e afrodiaspórico. Problematizar formas de fazer ciência é uma atitude que se coloca a favor de mundos mais plurais, justos e cocriadores de realidades menos opressoras. Importa, pois, que a academia seja um espaço problematizado para discussão de filosofias e epistemologias que são postas em um lugar de subalternidade, quando não deslegitimadas. Nesse sentido, temos como questão de pesquisa: como são os quadros teóricos das pesquisas afrocentradas produzidas nos Programas de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pernambuco? Objetivamos investigar em que medida as produções afrocentradas nos Programas de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pernambuco são voltadas para as lentes teóricas negro-africanas e afrodiaspóricas. Este estudo do tipo estado da arte quantificou dez publicações com autorias negra, africana e afrodiaspóricas que foram levantadas no repositório institucional investigado. Os resultados apontam a necessidade de desestabilizar os cânones epistêmicos e teóricos da academia, bem como de postular fundamentos teóricos mais afrocentrados em pesquisas que tratam da afrocentricidade, visto que há uma prevalência de referenciais ocidentais. Quando verificamos as pesquisas por Programas de Pós-Graduação, encontramos no Programa de Pós-Graduação em Educação a maior inclusão de referencial negro, africano e afrodiaspórico nas pesquisadas.

 

Biografia do Autor

Aurino Lima Ferreira, Universidade Federal de Pernambuco

Professor Associado da Universidade Federal de Pernambuco (Departamento de Psicologia e Orientação Educacionais). Desenvolve atividades de extensão e pesquisa no Núcleo Educacional Irmãos Menores de Francisco de Assis (NEIMFA), comunidade do Coque, Recife, PE. Coordenador, Pesquisador e Professor do Núcleo Educação e Espiritualidade do Programa de Pós-graduação em Educação da UFPE. Tem experiência na área de Educação e Psicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Psicologia e Educação Transpessoal, Psicologia social/comunitária, Educação não-formal, Trans/Formação Humana; Resiliência; Educação Emocional Integral; Dinâmica de Grupo; Relações Interpessoais; Fenomenologia (Merleau-Ponty); Espiritualidade Participativa Decolonial e Integral; Processos afetivos e interativos na educação; Intervenções psicossocias; Psicologia do Desenvolvimento (infância e adolescência); Infâncias e juventudes periféricas e amefricanas, Klínica Transpessoal. 

Referências

ADICHIE, Ngozi Chimamanda. O perigo da história única. [S. l.]: [s. n.] TED, 2009. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=D9Ihs241zeg.

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentric Manifesto. Toward an African Renaissance. Cambridge: Polity Press, 2007.

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade como Crítica do Paradigma Hegemônico Ocidental: Introdução a uma Ideia. Tradução de Renato Noguera, Marcelo J. D. Moraes e Aline Carmo. Ensaios Filosóficos, Rio de Janeiro, v. XIV, dezembro/2016.

CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco antirracista. Rev. Latinoam. Cienc. Soc. v. 8, n. 1, 2010.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como Não-ser como fundamento do Ser. São Paulo: FUESP, 2005.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Magda Lopes. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Minas Gerais: Editora UFJF, 2010.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, p. 223-245. Rio de Janeiro, 1980.

GROSFOGUEL, Ramón. Islamofobia epistémica y ciencias sociales coloniales. In: MARTÍNEZ, A.; MERLINO (Coord.). Género, raza y poder. Argentina: Eduvim, 2012.

HOUNTONDJI, Paulin J. Conhecimento de África, conhecimento de Africanos: duas perspectivas sobre os Estudos Africanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 149- 160, 2008.

KARENGA, Maulana. Afrocentricity and multicultural education. In: MAZAMA, Ama. The afrocentric paradigma. Trenton: África World Presse, 2003.

KI-ZERBO Joseph. Para quando a África? Entrevista com René Holenstein. Rio de Janeiro, PALLAS, 2006.

MAFEJE, Archie. Africanity: a combative ontology. Codesria Bulletin, n. 3-4, p. 106-110, 2008.

MAZAMA, Ama. A Afrocentricidade como um novo paradigma. In: Nascimento, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009

MENESES, Maria Paula. A questão negra entre continentes: possibilidades de tradução intercultural a partir das práticas de luta? Sociologias, Porto Alegre, ano 18, n. 43, p. 176-206, set/dez 2016.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, n. 34, p. 287-324, 2008.

MUNANGA, Kabengele. A difícil tarefa de definir quem é negro no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 50, 2004.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Patologia social do “branco” brasileiro. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1995.

RAMOSE, Mogobe. Sobre a Legitimidade e o Estudo da Filosofia Africana. Tradução de Rafael Medina Lopes, Roberta Ribeiro Cassiano Dirce Eleonora Nigro Solis. Ensaios Filosóficos, Rio de Janeiro, v. IV, outubro/2011.

ROMANOWSKI, Joana Paulin; ENS, Romilda Teodora. As Pesquisas Denominadas do Tipo Estado da Arte em Educação. Revista Diálogo Educ. v. 6, nº 19, p. 37-50, set/dez. 2006.

SANTANA, José Diêgo Leite. A (re)invenção dos corpos do Sul e as pedagogias africanas no enfrentamento à colonialidade do ser. 236 f. Dissertação, Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea (Mestrado em Educação Contemporânea), Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, v. 63, 2002.

WEDDERBURN, Carlos Moore. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para compreensão do racismo na História. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2022-04-20

Como Citar

LEITE SANTANA, J. D.; LIMA FERREIRA, A. . O CONHECIMENTO NEGRO-AFRICANO E/OU AFRODIASPÓRICO NAS PRODUÇÕES AFROCENTRADAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO: https://doi.org/10.29327/232521.8.2-3. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 20–37, 2022. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/237. Acesso em: 30 set. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.