O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO CURRÍCULO DE UMA ESCOLA QUILOMBOLA DOS ANOS INICIAIS

https://doi.org/10.29327/232521.8.2-7

Autores

  • Benedito Eugenio Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Andrea Santos Oliveira Secretaria Municipal de Educação de Porto Seguro-Ba

Palavras-chave:

Currículo; Ensino de Língua Portuguesa; Regras da Prática pedagógica

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa etnográfica realizada em uma escola quilombola dos anos iniciais do ensino fundamental do município de Vitória da Conquista. Tem como foco as regras da prática implícitas no currículo de Língua portuguesa, no micro contexto da sala de aula.  Para análise dos dados, utilizamos a teoria sociológica de Bernstein (1996, 1998), valendo-nos do seu poder explicativo e descritivo dos seus pressupostos que favorece o entendimento dos contextos educativos tanto no nível macro (produção do texto) quanto ao nível micro (sala de aula). Para caracterizar a prática pedagógica da professora no microcontexto, utilizamos uma série de indicadores que nos permitiram caracterizar a prática pedagógica da professora predominantemente como pedagógica visível.

Biografia do Autor

Andrea Santos Oliveira, Secretaria Municipal de Educação de Porto Seguro-Ba

Mestra em Ensino pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Professora de Língua Portuguesa na Rede Municipal de Ensino de Porto Seguro-Bahia.

Referências

ALFERES, Marcia. A. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: uma análise contextual da produção da política e dos processos de recontextualização. 2017. 247 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2017.

BERNSTEIN, B. Classes e pedagogia: visível e invisível. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 49, p. 26-42, maio, 1984.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

BERNSTEIN, B. Pedagogía, control simbólico e identidade: teoria, investigación y crítica. Diretor de la colección: Jurjo Torres Santomé. Madrid: Ediciones Morata, 1998.

BEZERRA, D. S. B. As regras da prática pedagógica no currículo de ciências e língua portuguesa na educação de jovens e adultos. 2018. 180 f. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/04/BNCC_19mar2018_versaofinal.pdf. Acesso em: 05 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. A oralidade, a leitura e a escrita no Ciclo de Alfabetização. Brasília: MEC, SEB, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Ensino Fundamental. Programa de Formação de Professores (PROFA). Guia de Orientações Gerais. Brasília, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 07jul.2019.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica (SEB). Secretaria de Educação a Distância (SEED). Guia Geral. Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Proletr/guiageral.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

BUFFE, A. Lúcia P. Compreensão sociológica de prática pedagógica de Matemática: um olhar a partir de Basil Bernstein. 2005. 197 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

CARTH, J. L. A Base Nacional Comum Curricular e a aplicação da política de Educação para Educação das Relações Etnico-Raciais. Revista Exitus, Santarém/PA, vol. 9, n° 3, p. 59 - 86, jul/set 2019.

COELHO, F. B. O. Análise de currículos de ciências à luz da teoria de Bernstein. Ciênc. Educ., Bauru, v. 23, n. 3, p. 795-808, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v23n3/1516-7313-ciedu-23-03-0795.pdf . Acesso em: 07 ago.2020.

EUGÊNIO, B. G. Práticas curriculares em uma escola de ensino médio no estado da Bahia. Educação, Santa Maria, RS, v. 42, n. 1, p. 57-72, jan./abr. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/21950/pdf . Acesso em:.

maio. 2020

GOMES, G. P. A relação professor-materiais curriculares no ensino de Matemática: uma análise sob a perspectiva ontossemiótica. 2019. 121 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2019.

MAINARDES, J. Reinterpretando os ciclos de aprendizagem. São Paulo: Cortez, 2007.

MAINARDES, J; STREMEL, S. A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Teias, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, p. 31-54, 2010.

MORAIS, A. M.; NEVES, I. P. A teoria de Basil Bernstein: alguns aspectos fundamentais. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 2, n. 2, p. 115-130, jul./dez. 2007.

MORAIS, A.M.; NEVES, I.P. Processos de intervenção e análise em contextos pedagógicos. Educação, Sociedade & Culturas, Lisboa, v. 19, p. 49-87, 2003.

MORAIS, A. M. et al. Estudos para uma sociologia da aprendizagem. Lisboa: CIEFCUL & IIE, 2000.

NARZETTI, C. N. P.; NOBRE, A. A teoria dos códigos linguísticos de Basil Bernstein e a questão da modalidade oral da língua. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 10, n. 1, p. 286-303, jan./mar. 2016.

PIRES, M. D. Práticas Pedagógicas inovadoras em Educação Científica: estudo no 1º ciclo do Ensino Básico.366 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2001.

PIRES, D.; MORAIS, A. M.; NEVES, I. P. Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade Estudo de características sociológicas específicas da prática pedagógica. Revista Portuguesa de Educação, v. 12, n. 2, p. 129-132, 2004.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sob a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.

SANTOS, A. B. Caracterização de uma prática pedagógica de Química no Ensino Médio: aproximações e distanciamentos em torno da pedagogia mista. 2016. 156 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores) – Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Formação de Professores, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2016.

SANTOS, B. F. Contribuições da sociologia de Basil Bernstein para a pesquisa sobre linguagem e interações discursivas nas aulas de ciências. In: SANTOS, B. F.; SÁ, L. P. (org.). Linguagem e ensino de ciências: ensaios e investigações. Ijuí: Editora da Unijuí, 2014. p. 55- 66.

SANTOS, B.F. Regras de sequência e de ritmo a prática pedagógica de Química: considerações sobre o conceito de Pedagogia Mista. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 18., 2016, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 25 a 28 de julho de 2016.

SANTOS, B.F. ; SANTOS, K. N.; SILVA, E. S. Interações discursivas em aulas de Química: o redor de atividades experimentais: uma análise sociológica. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 16, n. 3, p. 227-246, set./dez. 2014.

SILVA, G. S. O discurso pedagógico segundo a teoria de Basil Bernstein: o contexto de sala de aula no ensino de química. 2014. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.

SOUZA, J. B. Entre o discurso oficial e o discurso pedagógico: desafios e caminhos construídos, no contexto da rede municipal de ensino de Jequié, no processo de implantação da Lei 10.639/03. 146 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2015.

SOUZA, J. M. Materiais curriculares educativos de matemática do Pacto/PNAIC: um olhar desde os critérios de idoneidade didática. 2018. 146 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2018.

Downloads

Publicado

2022-04-20

Como Citar

BENEDITO EUGENIO; SANTOS OLIVEIRA, A. O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO CURRÍCULO DE UMA ESCOLA QUILOMBOLA DOS ANOS INICIAIS: https://doi.org/10.29327/232521.8.2-7. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 100–132, 2022. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/245. Acesso em: 23 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.