O RACISMO RECREATIVO: Uma análise discursiva do blackface

https://doi.org/10.29327/232521.8.2-8

Autores

  • Douglas Rodrigues Universidade do Estado da Bahia
  • Janaina Santos Universidade do Estado da Bahia

Palavras-chave:

Acontecimento discursivo, Blackface, Mídia, Racismo Recreativo

Resumo

O presente estudo tem por objetivo compreender as condições de emergência do acontecimento blackface alinhado ao racismo recreativo (MOREIRA, 2019), no século XXI. Para tanto, adotou-se o arcabouço teórico-metodológico da Análise do Discurso de origem francesa, com contribuições de Michel Foucault. Foram assumidas as noções foucaultianas de discurso, arquivo e acontecimento discursivo como centrais do estudo. Para a análise, foi mobilizado o método arquegenealógico e, desde essa perspectiva, montado um arquivo de enunciados verbo-visuais sobre a referida temática, cujos critérios de seleção foram a expressividade, a materialidade verbo-visual e a circulação em mídias e redes sociais, na atualidade. A relevância desta pesquisa se estabelece no cenário contemporâneo ao tratar de questões discursivas focalizadas a partir do racismo recreativo, no intuito de desenvolver reflexões para uma educação crítica e antirracista. A construção do arquivo e sua leitura possibilitaram compreender o enunciado blackface como acontecimento discursivo, operando na manutenção de preconceitos que resultam em discriminação contra a população afrodescendente, bem como dificultando a erradicação do racismo nas mídias e redes sociais, além de contribuir na expansão desse enunciado para todo o corpo social. O estudo possibilitou entender portanto, o caráter dinâmico do racismo como sistema discursivo pela vertente recreativa, demonstrando que, na contemporaneidade, a circulação e as práticas de enunciados blackface ainda estão presentes nas mídias e redes sociais, e permitem que tais práticas racistas sejam cometidas. Daí, percebe-se que a linguagem da mídia tem a rapidez e a leveza da atualidade, que possibilitam a grande circulação de discursos que podem promover a transformação para a convivialidade. Entretanto, ainda carece de princípios éticos que fortaleçam valores como o respeito e a justiça.

Biografia do Autor

Douglas Rodrigues, Universidade do Estado da Bahia

É licenciado em Letras em Língua Inglesa e Respectivas Literaturas (UNEB). É membro do grupo de pesquisa: Tradução, Processo de Criação e Mídias Sonoras (PRO.SOM) - UFBA. Compõem também o grupo de pesquisa AUDiscurso - Laboratório de Estudos do Audiovisual e do Discurso (UNEB). 

Janaina Santos , Universidade do Estado da Bahia

Realizou Estágio pós-doutoral (2018-2019) no Programa de Pós-Graduação em Letras: cultura, educação e linguagens, na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, possui Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa (2014) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquista Filho - UNESP, Mestrado em Estudos Linguísticos (2011) pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU, Especialização em Linguística aplicada ao Ensino do Português (2006) e Graduação em Letras com habilitação em português e inglês e respectivas literaturas (2001) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. É professora adjunta na Universidade do Estado da Bahia Bahia - UNEB/Campus VI, atua no Programa de Pós-graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade - PPGELS/UNEB e lidera o Laboratório de Estudos do Audiovisual e do Discurso - AUDiscurso/UNEB/CNPq. Atua nas áreas de Análise do Discurso e Linguística Aplicada, com interesse nos temas: sujeitos contemporâneos no audiovisual, discurso e ensino, formação de professores de línguas e currículo.

Referências

ALMEIDA, Silva. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ARCOVERDE, Letícia; DIAS, Tatiana. A foto de Justin Trudeau. E o debate sobre o blackface. Nexo, 19 de set. 2019. Disponível: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/09/19/A-foto-de-Justin-Trudeau.-E-o-debate-sobre-o-blackface. Acesso em: 25 fev. 2021.

BORGES, António. De Jim Crow a Langston Hughes:“Quando a música começou a ser outra 179p. 2007. (Dissertação), Mestrado em Estudos Anglísticos- Departamento de Estudos Anglísticos, Universidade de Lisboa, Lisboa.

CARMO, Miguel. Michel Foucault e a gestão da vida. Kínesis. v. 11, p. 229-241, 2019.

CASTRO, Edgardo. Introdução a Foucault. Tradução: Beatriz de Almeida Magalhães. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

FERNANDES, Cleudemar. Análise do Discurso: reflexões introdutórias. 3. ed. São Carlos: Claraluz, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Aula Inaugural no Collège de France, Pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Loyola, 1971

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução: Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1986.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos IV. Estratégia, saber-poder. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FRAGA, Larissa. Dear White People e o imaginário do Racismo nos Estados Unidos. In: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Joinville, Santa Catarina, 2018.

LAGE, Mariana Luísa. et al .Preconceito maquiado: o racismo no mundo fashionista e da beleza. In: IX Encontro de Estudos Organizacionais, 2016, Belo Horizonte.

LIMA, Emanuel. Racismos no plural: um ensaio sobre o conceito de racismos. In: Emanuel Fonseca Lima et.al. (Org.). Ensaios sobre os racismos. São José do Rio Preto: Balão Editorial, 2019, p. 01-153.

MORAN, José. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, José Manuel, MASETTO, Marcos e BEHRENS, Marilda. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000. p. 11-66.

MOREIRA, Adilson. Racismo Recreativo. São Paulo: Sueli Carneiro; Polén, 2019.

NEVES, Carla; DAMIÃ, Renato. Adelaide, personagem do "Zorra Total", é denunciada por racismo UOL, 2012. Disponível em: https://televisao.uol.com.br/noticias/redacao/2012/09/04/adelaide-personagem-do-zorra-total-e-denunciada-por-racismo.htm. Acesso em: 25 fev. 2021.

OLIVEIRA, Alana. SILVA, Kennedy. O Blackface no Carnaval Brasileiro e a Legitimação do Racismo Recreativo. Das Amazônias, v. 3, p. 4, 2020.

OLIVEIRA, Dennis. de. Sobre Adelaide, Zorra Total e o racismo sem graça. FORUM. 2013. Disponível em: https://revistaforum.com.br/revista/sobre-adelaide-zorra-total-e-o-racismo-sem-graca. Acesso em: 25 fev. 2021.

ORLANDI, Eni. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 13. ed. Campinas: Pontes Editores, 2020.

UN Human Rights Council. Report of the Working Group of Experts on People of African Descent on its fourteenth session. Addendum: Mission to Brazil , 23 September 2014, A/HRC/27/68/Add.1, Disponível em: https://www.refworld.org/docid/543794674.html. Acesso em: 25 fev. 2021.

SANTOS, Janaina. Produções discursivas do horror: materialidade fílmica e memória na trilogia de Zé do Caixão. 220p. Tese. Programa de Pós-Graduação de Linguística e Língua Portuguesa.Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras (Campus de Araraquara), 2014.

REVEL, Judith. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno Manual Antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SARGENTINI, Vanice. Relações entre enunciado e arquivo na construção do discurso político. Signótica, 37-47, 2008.

SARGENTINI, Vanice O arquivo e a circulação de sentidos. Conexão Letras: a noção de arquivo em Análise do Discurso: relações e desdobramentos. v. 9, n. 11, 23- 30, 2014.

Downloads

Publicado

2022-04-20

Como Citar

RODRIGUES, D.; SANTOS , J. . . O RACISMO RECREATIVO: Uma análise discursiva do blackface: https://doi.org/10.29327/232521.8.2-8. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 133–150, 2022. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/246. Acesso em: 23 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.