A PROSÓDIA COMO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA FLUÊNCIA

https://doi.org/10.29327/232521.8.2-10

Autores

  • Cristiane Vieira Costa Abreu Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Ronei Guaresi Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Vera Pacheco Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Palavras-chave:

Prosódia. Leitura. Fluência. Variação melódica.

Resumo

Este artigo objetiva descrever e analisar a prosódia como elemento constitutivo da fluência leitora. Para tanto, foram verificadas a F0 e a Intensidade na leitura oral em um grupo de 190 escolares e 05 leitores adultos com formação acadêmica. O estudo foi de caráter experimental e transversal. Os dados coletados foram tabulados e tratados qualitativa e quantitativamente. Na comparação entre escolares com leitura mais fluente e escolares com leitura pouco fluente, observou-se que as variações melódicas em leitores mais fluentes apresentam comportamento prosódico mais próximo do que é prototipicamente esperado para a presença de determinado sinal de pontuação. A curva de F0 apresentou valores de p significativos entre os grupos caracterizados como mais fluentes.

 

Referências

ALLIENDE, F.; CONDEMARÍN, M. Leitura das séries intermediárias. In: ______. A

leitura: teoria, avaliação e desenvolvimento. 8. ed. Porto Alegre: Artmed. 2005. p. 86-87.

ÁVILA, C. R. B.; CARVALHO, C. A. F.; KIDA, A. S. B. Parâmetros de Fluência e Compreensão de leitura . In: BARBOSA, T.; CAPELLINI, S. A.; MOUSINHO, R. Temas para Dislexia. São Paulo: Artes medics, 2009. p. 103-113

BREZNITZ, Z. Fluency in Reading: synchronization of process. Mahwah: Laurence Erlbaum, 2006.

CAGLIARI, L. C. Elementos de fonética do português brasileiro. São Paulo: Paulistana, 2007.

CAGLIARI, L. C. Marcadores prosódicos na escrita. In: SEMINÁRIO DO GRUPO DE

ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, 18, 1989, Lorena. Anais do XVIII Seminário do Gel.

Lorena: Grupo de Estudos Lingüísticos de São Paulo, 1989. p. 195-203.

CAGLIARI, L. C. Da importância da prosódia na descrição de fatos gramaticais. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do português falado: níveis de análise linguística. 4. ed. rev. Campinas: Editora da Unicamp, 2002. v. 2. p. 37-60.

CAGLIARI, L. C. A escrita do Português arcaico e a falsa noção de ortografia fonética.

In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE

LUSITANISTAS, 5, 1998, Oxford. Actas... Oxford: Associação Internacional de

Lusitanistas - AIL, 1998. v. 1. p. 57-69.

CARDOSO-MARTINS, C. Existe um estágio silábico no desenvolvimento da escrita em português? Evidência de três estudos longitudinais. In: MALUF, M. R.; CARDOSO

MARTINS, C. Alfabetização no Século XXI: Como se Aprende a Ler e a Escrever. Porto Alegre: Penso, 2013, pp. 82-107.

CRYSTAL, D. (1941). Dicionário de Linguística e Fonética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

DANCEY, C. P.; REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia: usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DEHAENE, S. Os neurônios da leitura: como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Porto Alegre: Editora Penso, 2012.

DUBOIS et alii (1973). Dicionário de Linguística. Ed. Cultrix, 2000.

GUARESI, R. Influência da leitura no aprendizado da escrita: uma incursão pela

inconsciência. In: PEREIRA, V. W.; GUARESI, R. (orgs.). Estudos sobre a leitura:

Psicolinguística e interfaces. EDIPUCRS. Porto Alegre, 2012. Disponível em:

<https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22194>. Acesso: 28 mar. 2016. p. 63-75.

GUARESI, R. Repercussões de descobertas neurocientíficas ao ensino da escrita. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. Salvador, v. 23, n. 47, p. 51-62, jan./jun., 2012.

GUARESI, R. Alfabetização e letramento: é possível qualificar o ensino de língua materna no Brasil ? Curitiba, PR ; CRV, 2017.

JUDGE, S. (2013). Longitudinal predictors of reading achievement among at-risk children. Journal of Children and Poverty, 19(1), 1-19.

KUHN, M. R.; SCHWANENFLUGEL, P. J.; MEISINGER E. B. Aligning theory and assessment of reading fluency: automaticity, prosody, and definitions of fluency. Reading Research Quarterly, Newark, v. 45, n. 2, p. 230-251, Apr./June 2010.

MADUREIRA. S. Entoação e síntese de fala: modelos e parâmetros. In: SCARPA, E. M. (Org.). Estudos de prosódia. Campinas: Ed. da Unicamp, 1999. p. 53-68.

PACHECO, V. Percepção dos sinais de pontuação enquanto marcadores prosódicos. Revistade Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, n. 3, p. 205-232, jun. 2006.

_______. Leitura e prosódia: o caso dos sinais de pontuação. In: FONSECA-SILVA, M. C.;

PACHECO, V; LESSA-DE-OLIVEIRA, A. S. C. (Org.). Em torno da

Língua(gem): questões e análises. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2007, p.41-70.

______. Efeito dos Marcadores Prosódicos na Leitura de Textos do Português

do Brasil (resumo). In: III Congresso Internacional da ABRALIN, 2003, Rio de Janeiro.

Resumo, 2003.

______. Investigação fonético-acústico e experimental dos sinais de pontuação enquanto marcadores prosódicos. Dissertação (mestrado em Lingüística) 132 f. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, 2003.

SCARPA, E. M. Apresentação. In: ______.(Org.). Estudos de prosódia. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1999, p. 7-17.

Downloads

Publicado

2022-04-20

Como Citar

VIEIRA COSTA ABREU, C.; GUARESI, R.; PACHECO, V. A PROSÓDIA COMO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA FLUÊNCIA: https://doi.org/10.29327/232521.8.2-10. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 165–185, 2022. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/248. Acesso em: 30 set. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.