O ensino de língua portuguesa e os universais musicais: uma amostragem de prática interpretativa

Autores

  • Emanuela Francisca Ferreira Silva Instituto Federal do Sul de Minas
  • Hugo Mari Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Palavras-chave:

Universais Musicais, Interpretação Textual, Mente Incorporada

Resumo

Esse trabalho é parte de um projeto de pesquisa desenvolvido em doutoramento em Língua Portuguesa e
Línguística do Programa de Pós-graduação em Letras da PUC Minas, que visa compreender e discutir a utilização dos universais musicais – ritmo e melodia – como ferramentas no ato interpretativo de um texto, potencializando a compreensão do mesmo. A interpretação textual é uma prática de linguagem. O trabalho de compreender um texto ultrapassa o domínio do sujeito comunicante e do sujeito interpretante. Patrick Chauredau (2008) afirma que a encenação discursiva é condição primordial para comunicação. Segundo Chauredeau (2008) o ato de linguagem é composto de vários sujeitos – Euc - EUe/ Tui -TUd – e que comunicar é proceder a uma encenação. Para este trabalho pretende-se limitar a pesquisa a dois desses sujeitos comunicantes, respectivamente: TUi-TUd, encenados pelo sujeito interpretante no ato comunicativo. Pretende-se apresentar uma parte dessa pesquisa que tem por eixo as abordagens experencialista e corporificada, afirmando que a construção de sentido depende da interação de três
dimensões: cérebro, corpo em ação e interação organismo-ambiente. Tem-se a hipótese de que ao utilizar dos universais musicais no ato da interpretação TUi-TUd constroem-se esquemas imagéticos, por meio dos quais TUi-TUd experencia o mundo. Para tanto, baseia-se na Teoria da Integração Experencial (AUCHLIN, 2003) em que se integram dois espaços de entrada: o experencial sensório-motor e a elaboração linguística e o Modelo Semiótico de Brandt (2005), em que o espaço-base é discursivo, pois é construído a partir do “ato de dizer e aquilo que é dito”. Tentar-se-á integrar ambos os modelos para apresentar um modelo próprio de análise e confirmar a hipótese que rege  esse trabalho.

Biografia do Autor

Emanuela Francisca Ferreira Silva, Instituto Federal do Sul de Minas

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras – Língua Portuguesa e Linguística - da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Professora de Língua Portuguesa do Instituto Federal do Sul de Minas

Hugo Mari, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Professor do Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica de Minas  Gerais.

Referências

AUCHLIN, A. Competénce discursive et co-occurrence d'affects'"blendes experientiels ou (co)fusion d'émotions'. In: Colletta J, M. & A, Tcherkassof (éds) ( 2001). LPS. Université Pierre Mendes France, Grenoble II & LIDILEM, Université Stendall, Grenoble III, 2003.
AUCHLIN, A. Prosodic Iconicity and experiential Blending. In: HANCIL, S. (Ed.) Actes du colloque international Prosodie et Iconicité, Rouen, Avril, 2009. Berne: Éditions Nota Bene, no prelo.
AUCHLIN, A. Du phonostile à l'ethos, les prosodies comme interfaces entre sens et corps. In: Acts du III Symposium sur L'analyse du Discours. Belo Horizonte, Brésil, 2008.
BRANDT, P. A. The Mental Architecture of Meaning. A View From Cognitive Semiotics. Revista de Tecnologias Cognitivas. nº 4, jul-dez/2010.
BRANDT, P. A. Mental spaces and cognitive semantics: a critical comment. Journal of Pragmatics, vol. 37, 2005.
BRANDT, P. A. Spaces, Domains and Meaning - Essays in Cognitive Semiotics. European Semiotics Series. Vol. 4. Peter Lang, 2004.
BRANDT, L., BRANDT, P. A. Making sense of Blend. In MENDOZA IBÁÑEZ, R. (Ed) Annual Review of Cognitive Linguistics. Amsterdam: John Benjamins, 2005.
BRANDT, P. A. The Mental Architecture of Meaning. A View From Cognitive Semiotics. Revista de Tecnologias Cognitivas. nº 4, jul-dez/2010.
CHARAUDEAU, P. Linguagem e Discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2014.
FAUCONNIER, G.; TURNER, M. The way we think – conceptual blending and the mind´s hidden complexities. NewYork: Basic Books, 2002.
LAKOFF, G. JOHNSON, M. Metaphors we live by. Chicago, London: the University of Chicago Press, 2007.
POPPER,K. Conocimiento Objectivo. Madrid: Editorial Tecnos, 1982.
MARI,H. Sobre algumas condições da leitura: da naturalidade do significante ao conhecimento de intenções. In: EVANGELISTA,A; BRANDÃO, H; MACHADO, M. Z. A Escolarização da Leitura Literária. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
SINHA, C. Biology, culture and the emergence and elaboration of symbolization. In A. Saleemi, A. Gjedde and O.-S. Bohn (Eds.) In Search of a Language for the Mind-Brain: Can the Multiple Perspectives be Unified? Aarhus, Aarhus University Press: 2009.
SLOBODA, J. A Mente Musical: A Psicologia Cognitiva da Música. Trad. Ilari, B & Ilari, R. Londrina: EDUEL, 2008.
ZLATEV, J. Meaning = life (+ culture): an outline of a unified biocultural theory of meaning. Evolution of Communication, 4/2, 2003: 253-296. Disponível em: <http://www.mentaldev.org/JournalPapersPDF/Meaning=Life-offprint.pdf>. Acesso em: 16 ago. 2012.

Downloads

Publicado

2019-07-05

Como Citar

FRANCISCA FERREIRA SILVA, E. .; MARI, H. O ensino de língua portuguesa e os universais musicais: uma amostragem de prática interpretativa . Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 5–19, 2019. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/41. Acesso em: 10 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.