TUPINAMBÁ.COM

Autores

  • Consuelo de Paiva Godinho Costa Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Palavras-chave:

Tupinambá, Ferramentas digitais, Educação Escolar Indígena

Resumo

Este artigo trata do Projeto de uso da língua indígena e seu ensino na comunidade Tupinambá de Olivença (Ilhéus, BA) e relata minha experiência com o ensino da língua Tupi – materializada no Curso de Língua e Cultura Tupi – e os desdobramentos linguísticos e educacionais das escolhas feitas com relação ao uso de tecnologias digitais e redes sociais no ensino da língua.

Biografia do Autor

Consuelo de Paiva Godinho Costa, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutora em Linguística, professor adjunta do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Referências

ANCHIETA, Pe. José de, Arte de Gramática da lingoa mais usada na costa do Brasil. Ed. Fac-similar à de 1595. São Paulo: Loyola, 1990.
AYROSA, Plinio. Vocabulário na Língua Brasílica. São Paulo: Dep. de Cultura, 1938. Cópia disponível na Biblioteca Digital Curt Nimuendajú.
BARBOSA, A.L. (1956). Curso de Tupi Antigo. Rio de Janeiro :São José.
CAVENACCI, Massimo. Antropologia da comunicação visual. Tradução Julia M. Polinésio e Vilma de Katinsky B. de Souza. São Paulo: Brasiliense, 1988. 211p.
COSTA, Consuelo de P. G. Nhandewa Aywu: Fonologia do Nhandewa-Guarani.Campinas, SP: EditoraCurt Nimuendajú, 2010.
_____, Kwatiá Porã: a escrita dos Nhandewa-Guarani. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2014.
COSTA, Erlon Fábio de Jesus. Da corrida de tora ao poranci: a permanência histórica dos tupinambá de Olivença no sul da Bahia. Tese de mestrado. UnB, 2013.
COUTO, Patrícia Navarro de Almeida. Os Filhos de Jaci: Ressurgimento étnico entre os Tupinambá de Olivença –Ilhéus – BA, 2003.
Disponível em: http://www.pineb.ffch.ufba.br/downloads. Acessado em 28 de fevereiro de 2016.
D’ANGELIS, Wilmar da Rocha O Nhandewa-Guarani ensinado nas escolas indígenas de São Paulo e norte do Paraná. Comunicação em Congresso, 2002.
DEMO, Pedro. TICs e Educação (2008). Disponível em: https://docs.google.com/document/pub?id=122YjQchoYmfKffYTaFQksphUwzyh9gOPx6FuQTBRIrU. Acessado em 15/05/2015.
FIGUEIRA, Pe. Luis. Grammatica da Lingua do Brasil. Leipizig: B.G.Teubner, 1878 [fac-similiar à edição de 1687], Cópia disponível na Biblioteca Digital Curt Nimuendajú.
MORI, Angel Corbera. A língua indígena na escola indígena: quando, para que e como? In: VEIGA, Juracilda e SALANOVA, Andrés. Questões de Educação Escolar Indígena. Brasília: FUNAI/DEDOC; Campinas: ALB, 2001.
NAVARRO, Eduardo de A. Método Moderno de Tupi Antigo. São Paulo: Global, 2005.
PAIVA, Anderson dos Santos. Corpus gráfico tupinambá: identidade iconográfica ameríndia In: Anais do I ENECULT. Salvador, 2005. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecul2005/AndersondosSantosPaiva.pdf. Acessado em: 15/05/2015.
RODRIGUES, Aryon Dall´igna. Línguas Brasileiras: para o conhecimentos das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola, 1986.
SILVA, José Daniel da. Software educacional: recurso didático para apoio no processo de revitalização da língua tupi. In: COSTA, Francisco Vanderlei Ferreira da e NETO, João Veridiano Franco (orgs.). Multiverso Indígena: abordagens transdisciplinares. Porto Seguro, IFBA, 2014.

Downloads

Publicado

2019-07-05

Como Citar

CONSUELO DE PAIVA GODINHO COSTA. TUPINAMBÁ.COM. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 46–59, 2019. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/66. Acesso em: 10 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.