Língua portuguesa no ensino superior: a leitura como ferramenta na construção de conhecimentos

Autores

  • Amanda Canterle Bochett Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Jéssica Cantele de Freitas Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Sandra Maria do Nascimento de Oliveira Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Palavras-chave:

Língua Portuguesa, Leitura, Ensino Superior

Resumo

A disciplina de Língua Portuguesa auxilia no desenvolvimento social e cognitivo dos indivíduos em comunidade, por meio dela são desenvolvidas habilidades (orais e escritas) que permitem a interação e comunicação das pessoas. Dentro dessa disciplina encontra-se a leitura, que é um importante fator de desenvolvimento intelectual para o ser humano e deve ser uma prática diária na vida de todos, a partir dela são elaborados conceitos e aprendizados que possibilitem atuar no contexto em que o individuo está inserido, como agente transformador do meio, em práticas sociais. Perante isso, cabe aos professores contribuir na formação de alunos leitores, aptos a construir conceitos críticos, a partir dos textos lidos, independente da área que atuam. Nesse contexto, tem-se uma preocupação com as dificuldades que os alunos encontram ao ingressarem no ensino superior tendo em vista de que o mundo acadêmico apresenta muitas particularidades e práticas que são próprias desse meio. A leitura mantém um papel importante atualmente e está vinculado ao desenvolvimento oral e escrito do indivíduo. Ao se tratar da esfera de
ensino, mais específica a do ensino superior, depara-se com a realidade de que a maioria dos cursos não
tem a Língua Portuguesa como ferramenta de estudo, e a leitura vem apenas por obrigação e cobrança de
certos professores. Diante disso, o objetivo deste trabalho é propiciar uma reflexão sobre o ensino da
Língua Portuguesa e da leitura no ensino superior em cursos que não de letras. Para isso foram realizados
questionários entre acadêmicos e professores do curso de Ciência da Computação de uma universidade
particular, o que nos levou à confirmação de que muitas dificuldades existem por parte dos alunos. Foi possível constatar a preferência dos acadêmicos por outras atividades, que não seja a leitura e a escrita,
mesmo tendo estímulos para tal, e embora possam contar com um corpo docente com boa formação e uma vasta experiência em sua área, não se sentem motivados em relação às atividades propostas de leitura. Mas, ao mesmo tempo, parecem ter consciência de que a boa leitura, escrita e oralidade são bases fundamentais para sua formação e, conseguinte, atuação profissional.

Biografia do Autor

Amanda Canterle Bochett, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutoranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Jéssica Cantele de Freitas, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Mestranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Sandra Maria do Nascimento de Oliveira, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutoranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Referências

ALLIENDE, Felipe. & CONDEMARÍN, Mabel. A leitura teoria, avaliação e desenvolvimento. trad. Ernani Rosa. – Porto Alegre: Artmed, 2005.
AZEREDO, José Carlos de et.al. Língua portuguesa em debate: conhecimento e ensino. José Carlos de Azeredo (org.).Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
BACK, Eurico. Fracasso do Ensino de Português: proposta de solução. Rio de Janeiro: Petrópolis, 1987.
BAMBERGER, Richard. Como incentivar o hábito da leitura. São Paulo: Ática, 1995.
GUTIERREZ, F. Linguagem total – Uma pedagogia dos meios e comunicação. São Paulo, Summus, 1978.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2005.
KATO, Mary. O aprendizado da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
MATRTINEZ, R. “Discurso: Conceituação e elementos que entram na sua produção”, 1983. São Paulo, vol. III.
REVISTA ENSINO SUPERIOR. Ano 13. Nº 150. Editora Segmento, Março/2011.
ROULET, E. Teorias linguísticas, gramaticais e ensino de línguas. São Paulo, Pioneira, 1978.
SILVA, Ezequiel Theodoro da. O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura. São Paulo: Cortez, 1991.
_____. Leitura e realidade brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.
_____. Criticidade e leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.
SOARES, M. B. As condições sociais da leitura: uma reflexão em contraponto. In Zilberman, R. & Silva, E.T. (org). São Paulo: Ática, 1988.
VERÓN, E. A produção de sentido. São Paulo, Cultrix, 1980.

Downloads

Publicado

2019-07-06

Como Citar

AMANDA CANTERLE BOCHETT; JÉSSICA CANTELE DE FREITAS; SANDRA MARIA DO NASCIMENTO DE OLIVEIRA. Língua portuguesa no ensino superior: a leitura como ferramenta na construção de conhecimentos. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 50–61, 2019. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/83. Acesso em: 10 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.