Uma análise da sintaxe de regras de concordância empregadas em textos escritos por alunos da educação básica: considerações relevantes para serem analisadas

Autores

  • Ricardo Santos David Centro de Estudos da Lingua(gem) pela Uniatlantico - Espanha

Palavras-chave:

Uso, Gramática, Concordância verbal

Resumo

Este trabalho busca investigar o processo de concordância verbal efetivado em textos escritos,  produzidos por alunos da série final do Ensino Fundamental e por alunos da série final do Ensino Médio. Como corpus deste artigo, utilizamos seis produções textuais, sendo três textos de alunos do Ensino Fundamental e três textos de alunos do Ensino Médio. Essa escolha é justificada por dois motivos: amplitude da temática e a representatividade da ocorrência que queremos discutir no tocante à estrutura da concordância verbal quando o sujeito se encontra distante do verbo. Para tanto, nos baseamos na perspectiva da Linguística Funcional Centrada no Uso - LFCU e também nos estudos de Baccega (1989), Cunha (2003), Oliveira (2010), Possenti (2010) e Cezário;. Os resultados indicam uma tendência de o falante não flexionar o verbo, quando este se encontra distante do sujeito, ou seja, tem-se assim uma variação no uso da concordância verbal em relação às regras da gramática normativa.

Biografia do Autor

Ricardo Santos David, Centro de Estudos da Lingua(gem) pela Uniatlantico - Espanha

Pós-Doutorado em Educação: Formação de Professores e Psicologia Educacional: FCU - Florida Christian University / EUA. Mestrado e Doutorado e Educação: Formação de Professores e Novas Tecnologias. Especialista em Docência do Ensino Superior e linguística aplicada, pela Universidade Candido Mendes - Rio de Janeiro. Coordenador e Pesquisador do Centro de Estudos da Lingua(gem) pela Uniatlantico - Espanha

Referências

BACCEGA, M. A. A concordância verbal. 2 ed. São Paulo: Ática, 1989.
BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Ensino de 5ª e 8ª séries; Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC, 2000.
_______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental – língua portuguesa. Brasília/DF: MEC/SEF, 1998.
CUNHA, Angélica & TAVARES, Maria Alice. Linguística funcional e ensino de gramática. Editora da UFRN, Natal-RN, 2007 (p. 13-52).
GIVÓN, T. Syntax and Semanties: Dicourse and syntax. Nova Iorque: Academic Press, 1979.
HOPPER, P.J. Emergent grammar. In: TOMASELLO, M. (Ed.) The new psychology of language. New Jersey: Lawrece Erlbaum, 1998, p. 155-175.
MARTELOTTA, M. E. Mudança linguística: uma abordagem baseada no uso. Paulo: Cortez, 2011.
MARTELOTTA, M.; VOTRE, S.; CEZARIO, M.M. (Org.). Gramaticalização no português do Brasil: uma abordagem funcional. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro 1996.
OLIVEIRA, L. A. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2010.
POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2010.

Downloads

Publicado

2019-07-06

Como Citar

RICARDO SANTOS DAVID. Uma análise da sintaxe de regras de concordância empregadas em textos escritos por alunos da educação básica: considerações relevantes para serem analisadas. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 85–96, 2019. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/86. Acesso em: 10 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.