As construções com o conector mas e a contra-argumentação na organização tópica de uma elocução formal

Autores

  • Bougleux Bonjardim da Silva Carmo Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Palavras-chave:

Articulação tópica, Contra argumentação, Elocução formal, Mas

Resumo

O presente artigo analisa e descreve a multifuncionalidade do conector discursivo mas em construções contra-argumentativas, como elemento partícipe da organização tópica no texto oral formal. A partir da noção de tópico discursivo (JUBRAN et al, 2002; FÁVERO, 2003; JUBRAN, 2006; PINHEIRO, 2006; PENHAVEL, 2011; PENHAVEL; GARCIA, 2017) e nos conceitos relativos às construções contrastivas e contra-argumentativas (ALOMBA RIBEIRO, 2005; WELP, 2005; PORTOLÉS, 2001; NEVES, 2000; ANTUNES, 2005; FÁVERO, 2003; ANSCOMBRE; DUCROT, 1994) realizou-se uma análise descritiva e qualitativa de 29 ocorrências em uma elocução formal - EF, oriunda do projeto NURC / RJ, correspondendo ao corpus desta pesquisa. Como resultado, demonstra-se que a presença do conector mas sinaliza uma diversidade de sentidos, nos quais se envolvem elementos semânticos, pragmáticos, argumentativos e inferenciais que participam na articulação dos segmentos tópicos. Igualmente, postula-se o ato contra-argumentativo, em seus diversos graus de manifestação, como fator de segmentação tópica e episódica. Finalmente, são determinadas as funções proeminentes assumidas pelo conector em estudo.

Biografia do Autor

Bougleux Bonjardim da Silva Carmo, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC / Profletras. Docente da Rede Estadual de Ensino da Bahia - SEC e colaborador na Especialização em Linguística Aplicada, na Universidade do Estado da Bahia - UNEB / Campus X

Referências

ALOMBA RIBEIRO, M. D’A. Los conectores argumentativos en lós aprendices hispanohablantes de português. 2005. 271 f. Tese (Linguística Aplicada) – Departamento de Filologia, Universidade de Alcalá, Alcalá de Henares, 2005.
ANTUNES, I. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola Editorial, 2005
ANSCOMBRE, J, C.; DUCROT, O. La argumentación en la lengua. Editorial Gredos: Madrid, 1994.
BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999.
BRANDÃO, H. H. N. Coesão e interatividade em texto de elocução formal. Cad. Est. Ling., Campinas, v. 44: 239-250, 2003. Disponível em:
<https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637079/4801>. Acesso em: 27 jun. 2017.
CASTILHO, A. T. A língua falada no ensino de português. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2004.
CUNHA, C.; CINTRA, L. F. L. Nova gramática do português contemporâneo. 5ª ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008.
DIJK, T. A. Cognição, discurso e interação (org. e apresentação de Ingedore V. Koch). 6. ed. 1. reimpressão. São Paulo: Contexto, 2008.
DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas, SP: Pontes, 1987.
FÁVERO, L. L.. Coesão e coerência textuais. São Paulo: Ática, 1999.
______. Coesão e Coerência textuais. São Paulo: Ática, 2003.
JUBRAN, C. C. A. S. Atividades de composição do texto falado: a elocução formal. In: CASTILHO, A. T; BASÍLIO, Margarida (orgs.). Gramática do Português Falado. Volume IV: Estudos descritivos. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1996.
______ Revisitando a noção de tópico discursivo. Cad. Est. Ling., Campinas, v. 48 (1): 33-41, 2006. Disponível em: <http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/cel/article/view/1541/1113>. Acesso em: 20 jan. 2017.
JUBRAN, C. C. A. S. et al. Organização tópica da conversação. In: ILARI, Rodolfo (org.). Gramática do português falado: níveis de análise linguística. 4 ed., v. 7. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2002.
KOCH, I. G. V. Estratégias pragmáticas de processamento textual. Cad. Est. Ling., Campinas, v. 30: 35-42, jan./jun, 1996. Disponível em: <http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/cel/article/view/1684/4229>. Acesso em: 20 jan. 2017.
MONTOLÍO, E. Conectores de la lengua escrita: contraargumentativos, consecutivos, aditivos y organizadores de la información. Ariel S. A. Barcelona, 2001.
NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000, 4 reimpressão.
PENHAVEL, E. O funcionamento de marcadores discursivos no processo de estruturação interna de segmentos tópicos mínimos. Revista Língua, Campinas, ed. 27-28, 2011.
Disponível em: <http://www.revistalinguas.com/edicao27e28/artigo4.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2017.
______; GARCIA, A. G. Tipos de linearização tópica na Gramática Textual-Interativa.
Fórum linguistico, Florianópolis, v.14, n.1, p.1 792 - 1807 , jan./mar.2017. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2017v14n1p1792/33765>. Acesso em: 20 jul. 2017.
PINHEIRO, C. O tópico discursivo como categoria analítica textual interativa. Cad. Est. Ling., Campinas, v. 48 (1): 43-51, 2006. Disponível em: <http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/cel/article/view/1542/1115>. Acesso em: 27 fev. 2017.
PORTOLÉS, J. Marcadores del discurso. Barcelona: Ariel S.A. , 2001.
RISSO, M. S.; SILVA, G. M. O.; URBANO, H. Marcadores discursivos: traços definidores. In: KOCH, I. G. V. (Org.).Gramática do português falado. 2. ed. rev. Volume VI: Desenvolvimentos. Campinas: Editora da Unicamp, 2002. p. 21-103.
SELLA, A. F. Funções do mas em um texto oral-dialogado. Linguagem & Ensino, Pelotas, v.11, n.2, p.311-327, jul./dez. 2008. Disponível em: <http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/view/115/84>. Acesso em: 22 jun. 2017.
SPERBER, D.; WILSON, D. Relevância: comunicação e cognição. Fundação Calouste Gulbenkian: Lisboa, 2001.
URBANO, Hudinilson. Aspectos basicamente interacionais dos marcadores discursivos. In: NEVES, Maria Helena de Moura (Org.) Gramática do Português Falado. 2. ed. v. 07: Novos estudos. São Paulo: Editora Unicamp, 1999.
VOGT, C. De magis a mas: uma hipótese semântica. In. VOGT, Carlos. Linguagem, pragmática e ideologia. São Paulo: HUCITEC, 1980.
WELP, A.K.S. Uma visão argumentativa do mas. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 40, n. 1, p. 299-325, mar. 2005. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/13737/9120>. Acesso
em: 29 jan. 2017.

Downloads

Publicado

2019-07-06

Como Citar

BOUGLEUX BONJARDIM DA SILVA CARMO. As construções com o conector mas e a contra-argumentação na organização tópica de uma elocução formal. Revista Virtual Lingu@ Nostr@, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 90–110, 2019. Disponível em: https://linguanostra.net/index.php/Linguanostra/article/view/96. Acesso em: 10 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.